José Vitti afirma que aperfeiçoará mecanismos de transparência da Alego

Recém-empossado presidente da Assembleia, deputado afirmou que governador sinalizou que auxiliará Casa nos projetos

Novo presidente da Assembleia, deputado José Vitti, durante discurso de posse | Foto: Ruber Couto/Alego

O presidente da Assembleia Legislativa de Goiás (Alego) empossado nesta quarta-feira (1º/2), deputado José Vitti (PSDB), afirmou que pretende, durante o biênio 2017/2018, aperfeiçoar os instrumentos para que a população acompanhe os trabalhos dos parlamentares.  Assim, garantiu, os próprios eleitores poderão cobrar e fiscalizar os deputados que faltam às sessões e os projetos que são apresentados.

“Vamos aprimorar os mecanismos de transparência, as redes sociais e dar um impulso na TV Assembleia — que atualmente é aberta — fazendo uma programação atrativa para que as pessoas possam acompanhar tudo o que é feito aqui na Casa”, explicou. Para isso, disse, os repasses do governo estadual serão necessários.

O presidente da Alego afirmou que já se encontrou com o governador Marconi Perillo (PSDB) para tratar do repasse do duodécimo, que não vinha sido entregue em sua totalidade. “Não passamos nenhuma dificuldade. O governo repassa inteiramente tudo o que é necessário para os custos da Casa, mas para avançarmos tanto no sentido de aprimorar os mecanismos e ter uma estrutura de trabalho melhor quanto para futuramente termos uma nova sede, é necessário que seja repassado um pouco mais”, disse.

De acordo com Vitti, o governador se mostrou disposto a ajudar e afirmou que o parlamentar deve procurar o secretário da Fazenda, Fernando Navarrete, para discutir o assunto. “Estava esperando estar efetivamente na presidência para ter uma conversa oficial com o secretário para criarmos um plano de trabalho e estabelecer o que o governo pode nos repassar”, explicou. Ele destacou, ainda, que o momento atual é de crise financeira e que, portanto, a Casa também fará seu papel no momento de austeridade.

O presidente da Alego comentou, também, o projeto de austeridade proposto pelo governo estadual. Segundo ele, a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que institui o Novo Regime Fiscal está tramitando na casa, porém não deve ser discutido totalmente ainda neste mês. “O projeto precisa obedecer prazos regimentais, por ser uma PEC. Acredito que apenas o mês de fevereiro não será suficiente e o projeto terá continuidade em março”, disse.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.