Jornalista Glenn Greenwald diz que se sente orgulhoso por ser atacado pela revista Veja

O norte-americano agradeceu à publicação do Grupo Abril e disse que tem “orgulho” em ser tratado com um repórter que embarcou no “discurso governista” pela publicação

Jornalista norte-americano ironiza críticas da revista Veja contra ele | Foto: Daryan Dornelles

Jornalista norte-americano ironiza críticas da revista Veja contra ele | Foto: Daryan Dornelles

Primeiro jornalista a publicar informações sobre a espionagem global realizada pelo governo dos Estados Unidos através de documentos vazados por Edward Snowden, ex-agente da Nacional Security Agency (Agência de Segurança Nacional), o jornalista norte-americano Glenn Greenwald se diz orgulhoso por ser atacado pela revista Veja, que o trata como um estrangeiro que teria “embarcado no discurso governista” de que há um golpe em curso no Brasil.

Em seu Twitter, como divulgou a revista Fórum, Greenwald disse “tenho orgulho em ser atacado pela Veja” na quarta-feira (20/4). E, no mesmo dia, publicou no seu microblog: “Estão acostumados a controlar o debate sobre Brasil, e estão indignados que não conseguem agora. Perderam o controle”.

O jornalista ironizou a Veja e afirmou, em comentário na CNN, ser “perturbador” a forma como estão “brincando” com a democracia no Brasil, que tem apenas 31 anos, desde a reabertura política em 1985, com o fim da ditadura militar, que tomou o poder em 1º de abril de 1964 e acabou com a democracia no País por 21 anos.

Greenwald mora no Rio de Janeiro e cobre a crise institucional, política e econômica do País para o The Intercept. Nesta sexta-feira (22), o jornalista publicou a matéria Para Entender a Verdade no Brasil, Veja Quem Está Sendo Implantado na Presidência — e na Chefia das Finanças.

O jornalista recebeu o Prêmio Pulitzer em 2014 pelas matérias divulgadas no The Guardian em 2013 sobre os documentos que comprovam a espionagem dos Estados Unidos a outros governos e organizações em todo o mundo.

Não é só Greenwald que tem criticado a cobertura da imprensa brasileira sobre o processo de impeachment e a crise política no Brasil. Outros jornais de vários países tem criticado de forma dura como a falta de isenção da mídia nacional tem acompanhado e divulgado os fatos sobre a análise do impedimento da presidente Dilma Rousseff (PT) e os fatos que envolvem seu possível afastamento e destituição do cargo.

“É a coisa mais extraordinária, porque não apenas praticamente toda a classe política brasileira que está tentando tirá-la está envolvida em casos de corrupção muito sérios”, disse Greenwald à CNN.

E continuou: “O que eu quero dizer é que é a coisa mais surreal que eu já vi em toda a minha carreira de jornalista, ou em qualquer outro lugar cobrindo política nesses países, foi que ontem (domingo), a pessoa que estava presidindo o processo de impeachment, na Casa, Eduardo Cunha (presidente da Câmara dos Deputados), ele é uma pessoa conhecida por ter escondido milhões de dólares de suborno.”

Veja matéria da CNN na qual o jornalista Glenn Greenwald comentou, na segunda-feira (18), o processo de impeachment em curso no Congresso. A legenda traz um erro. Quando a apresentadora diz “594 congressistas” foi traduzida como “594 deputados”. A Câmara dos Deputados tem 513 deputados federais e o Senado 81 senadoras. Se você somar, o que não é difícil, vai perceber que 513 + 81 dá 594. Assista ao vídeo:

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Lucas Dias

Realmente só quem está do lado de fora pode ter uma visão completa dos fatos parabéns ao Glenn Greenwald por cobrir os fatos de forma imparcial, o ex-presidente do STF Joaquim Barbosa recomendou essa entrevista, e outra matéria do The Economist com uma lista dos motivos de Votar Sim ao impeachment.