Italiana morta na Bahia teria sido assassinada por recusar beijo

Pamela Canzonieri foi encontrada em região turística onde costumava passar férias. Polícia confirma que a causa da morte foi asfixia por esganadura

Pamela vinha ao Brasil uma vez por ano para passar férias | Foto: Reprodução / Facebook

Pamela vinha ao Brasil uma vez por ano para passar férias | Foto: Reprodução / Facebook

Pamela Canzonieri, a italiana de 39 anos assassinada em Morro de São Paulo, região turística da Bahia, teria sido morta após ter se recusado a dar um beijo em seu algoz, Antônio Patrício dos Santos, mais conhecido como Fabrício.

A informação foi divulgada pela imprensa de Ragusa, cidade natal da vítima e cuja promotoria também apura o caso na Itália. Pamela Canzonieri foi encontrada morta dentro de um imóvel no dia 17 de novembro. A delegada responsável pelo caso, Argimária Soares, informou que não havia sinais de arrombamento do imóvel.

Aos investigadores brasileiros, Antônio teria dito que se encontrou com Pamela na rua e a acompanhou até em casa – os dois moravam perto um do outro. Dentro da residência, teria ficado furioso ao não conseguir beijá-la e a esganou.

Procurada pela agência de notícias Ansa, a Secretaria de Segurança Pública da Bahia afirmou que não há, até o momento, nenhuma informação sobre isso. Segundo a autópsia, a causa da morte foi asfixia causada no pescoço com as mãos. Patrício dos Santos foi preso na última quarta-feira (23) e confessou o crime um dia depois. No entanto, ele alega não se lembrar de detalhes do episódio pois estava sob efeito de cocaína.

Segundo as informações iniciais da delegada, a italiana tinha o costume de passar os verões em Morro de São Paulo. Por meio de nota, o consulado italiano em Salvador informou que as unidades diplomáticas da Itália na capital baiana e em Recife estão cientes do caso e interagindo com as autoridades policiais.

Fabrício tem passagens pela polícia por associação ao tráfico de drogas e já foi visto vendendo entorpecentes. A notícia de que o assassinato de Pamela teria ocorrido por causa de um beijo chega na mesma data em que se celebra o Dia de Combate à Violência contra a Mulher, um problema em comum entre Brasil e Itália.

Segundo o Instituto Nacional de Estatística (Istat), cerca de 7 milhões de italianas dizem já ter sofrido alguma forma de abuso verbal ou físico. Além disso, de acordo com a Polícia, 100 feminicídios já foram registrados na Itália em 2016.

No Brasil, a situação não é diferente. A Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta que uma mulher é abusada sexualmente no país a cada 11 minutos. O caso de Pamela, uma italiana que trabalhava como garçonete em Morro de São Paulo, uniu essas duas realidades.

No momento, seu corpo está em Salvador, onde ainda aguarda a repatriação. A viagem para a Itália devia ter ocorrido nesta sexta-feira, mas acabou adiada, assim como seu funeral, que será em Ragusa, na Itália. (Com Agência Brasil)

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.