Irmãos acusados de atentado contra advogado em Goiânia vão a juri nesta quinta (30)

Eles são apontados como autores do envio de explosivo ao escritório do advogado Walmir Cunha

Advogado Walmir Cunha | Foto: Divulgação

Os irmãos Ovídio Rodrigues Chaveiro e Valdinho Rodrigues Chaveiro, acusados de ter enviado o pacote com uma bomba para o advogado Walmir Oliveira da Cunha, em julho de 2016, vão a júri popular na próxima quinta-feira (30/8) às 8h. Eles estão presos preventivamente desde dezembro de 2016.

O advogado ficou gravemente ferido no atentado e teve três dedos e parte da palma da mão esquerda mutilados. A denúncia do Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) pediu o encaminhamento dos dois irmãos, que são policiais federais aposentados, a júri popular por tentativa de homicídio triplamente qualificado por motivo torpe, crime cometido com emprego de explosivo e dissimulação, meio que impossibilitou a defesa da vítima.

Na decisão de pronúncia, o juiz Jesseir Coelho, considerou que na audiência de instrução e julgamento as testemunhas reconheceram Ovídio como sendo a pessoa que entregou o artefato explosivo para o motoboy levar ao escritório do advogado.

Segundo os autos, a motivação para o crime seria a represália dos acusados em relação a atuação profissional da vítima, Walmir, como advogado em uma ação que reverteu a guarda de uma criança, neta de Valdinho, para o pai e cliente de Cunha.

A sessão da quinta-feira (30) será aberta ao público e será presidida pelo juiz Lourival Machado da Costa, titular da 2ª Vara dos Crimes Dolosos Contra a Vida e Tribunal do Júri. Foram arroladas 12 testemunhas, sendo seis de cada parte, e dois informantes.

Deixe um comentário