Iris diz que Leste-Oeste depende do Estado, mas Governo afirma que não há condições

Obra de continuação da avenida estava acordado em convênio do Goiás na Frente, programa que vai ser encerrado por Ronaldo Caiado

Foto: Livia Barbosa/Jornal Opção

Em coletiva concedida na manhã desta segunda-feira, 25, o prefeito de Goiânia, Iris Rezende (MDB), disse que a conclusão de extensão da Avenida Leste-Oeste dependem de recursos do Estado de Goiás, que se comprometeu a pagar metade por meio de convênio assinado no programa Goiás na Frente.

“Nós vivemos agora a substituição do governador, temos que ver se ele vai se dispor a cumprir o que foi acertado com o outro, porque custou à Prefeitura a desocupação de um espaço estadual, que era utilizado pela Secretaria Municipal de Saúde. Diante dessa negociação o Estado se dispôs a assumir com metade dos custos, ou seja, numa obra de R$ 70 milhões, assumi, R$ 35 milhões”, disse.

Ocorre que, no início de fevereiro, o secretário de Governo, Ernesto Roller (MDB) anunciou a descontinuidade do programa de iniciativa do ex-governador Marconi Perillo (PSDB), por falta de recursos. Indagado sobre o convênio com a Prefeitura de Goiânia para as obras de continuação da Avenida Leste-Oeste, o secretário explicou que o Protocolo de Intenções assinado em junho de 2018 previa, para a liberação dos recursos, a desocupação, por parte do município, de imóvel de propriedade do governo estadual, dentro do prazo de 120 dias.

“O que não aconteceu. Tendo em vista que o convênio não recebeu nenhum repasse e a falta de dinheiro, ele deve ser cancelado”, escreveu a Segov em nota enviada à época da decisão. “Não há recursos em caixa para os repasses. O Estado enfrenta um conjunto de dívidas que não permite darmos uma resposta afirmativa neste momento. Só para citar alguns compromissos que não foram cumpridos, temos o atraso da folha de pagamento de dezembro, os repasses para a área da Saúde, a falta de pagamento do Bolsa Universitária”, sublinhou Roller.

Frente a todas essas divergências e cruzamento de informações, famílias têm sido tiradas de seus espaços de moradia para dar lugar às obras. Na última semana, o Jornal Opção foi conferir como estava essa situação e se deparou com carros da Prefeitura fazendo a desapropriação de uma população carente no Setor Cidade Jardim. Leia no box ao lado.

A obra da Leste-Oeste previa a continuação da avenida do centro de Goiânia, onde se cruza com a Independência, até a saída para Senador Canedo. Mas até agora ela sequer começou.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.