Iris desconversa sobre cobrança do IPTU do puxadinho e insegurança persiste

Questionado sobre imbróglio criado pela edição de decreto se negando a cumprir lei da Câmara, prefeito tergiversou 

Prefeito presta contas na Câmara | Foto: Prefeitura de Goiânia

O vereador Elias Vaz (PSB) questionou o prefeito Iris Rezende (MDB) sobre a insegurança administrativa criada pela gestão municipal após a edição de um decreto se negando a cumprir o decreto legislativo que impede a cobrança do chamado “IPTU do puxadinho”, aprovado pela Câmara neste ano.

De forma vaga, Iris disse que nunca fez graça com imposto pago pela população, mas que trata-se de uma cobrança que é “imposta” à população: “Ninguém paga por desejo de pagar. É a única mina de recursos para o poder público.”

Ante a injustiça fiscal criada pela Prefeitura de Goiânia ao fazer a cobrança do IPTU com base em imagens aéreas, o prefeito se restringiu a dizer que recomendou ao secretário de Finanças que analise caso por caso dos cidadãos que se sintam lesados.

Em uma cidade com mais de 510 mil imóveis, a solução apresentada pelo chefe do Executivo parece ser a de manter a cobrança considerada ilegal pelos vereadores e reavaliar os eventuais casos que apareçam.

Elias Vaz lembrou que a Câmara não aceitará o novo decreto e vai acionar judicialmente a gestão Iris para que não mantenha a taxa extra.

Vale destacar que o prazo para pagamento do IPTU 2018 vence neste terça-feira (20).

Deixe um comentário