Iris avisa servidores que só discutirá data-base em 2018

Em reunião no Paço Municipal, prefeito voltou a dizer que tenta colocar as contas em dia e que o esforço agora é para não atrasar pagamento da folha

O prefeito de Goiânia, Iris Rezende (PMDB) avisou os servidores municipais que discutirá reajuste de salários apenas a partir de fevereiro de 2018. O anúncio foi feito durante reunião no Paço Municipal na manhã desta quinta-feira (5/10) com representantes dos servidores da Saúde. Também estavam no encontro os secretários Fátima Mrue (Saúde) e Samuel Almeida (Governo) e a vereadora Dra. Cristina Lopes (PSDB).

Segundo a parlamentar, o prefeito mais uma vez justificou que tenta colocar as contas da prefeitura em ordem. “Mais uma vez ele pediu paciência, explicou a dificuldade financeira, as medidas que está promovendo para colocar as contas em dia e que se esforça para pagar os salários. Reposição salarial, aumento e retomada das gratificações só ano que vem”, relatou a vereadora. 

Legalmente, Iris deveria ter encaminhado à Câmara o projeto de reposição salarial até o dia 1º de maio e, portanto, descumpre lei federal ao não conceder reajuste. “Ele está descumprindo  a lei fiscal o que pode inclusive motivar pedido de impedimento da administração dele”, ponderou a tucana. “Vamos conversar com as lideranças sindicais, que são os principais prejudicados, para avaliar como nos posicionaremos a respeito dessa resposta do prefeito”.

Também deve ficar para o próximo ano a retomada do repasse do complemento ao Sistema Único de Saúde (SUS) para que pacientes da rede pública possam realizar exames e cirurgias eletivas em clínicas particulares.

“Tudo ele diz que será retomado a partir do próximo ano. Entendo que é preciso fazer uma reforma, acho que a administração da secretaria tem muito custo, os gastos têm que ser otimizados, mas a administração não pode simplesmente suspender o tratamento e não dar uma segunda alternativa para população. Simplesmente está suspensa a suplementação e não há plano B”,  lamentou Dra. Cristina.

Educação

A única categoria que chegou a receber um reajuste em 2017, mesmo que ainda abaixo da inflação, foram os servidores administrativos da Educação. Apesar disso, pelo segundo mês consecutivo a prefeitura cortou o reajuste de 2,94%

O índice havia sido acordado com a categoria no começo do ano e chegou a ser pago por três meses (maio, junho e julho).

Mais uma vez, os servidores lotaram as galerias da Câmara Municipal nesta quinta-feira (5/10) em protesto pelo pagamento do reajuste. Diferente das demais categorias, o projeto de data-base da Educação deve ser encaminhado à Câmara Municipal em janeiro.

Deixe um comentário