“Intriga” de Dona Iris no Twitter causa mal-estar nos bastidores de campanha irista

Após dois dias em campanha por Aparecida de Goiânia, parlamentar disse que ficou constatada a ausência de trabalho em prol da candidatura de seu marido

A deputada federal e candidata à reeleição Iris de Araújo (PMDB), a Dona Iris, criticou via Twitter a campanha que tem sido feito em prol da candidatura do governadoriável Iris Rezende em Aparecida de Goiânia, município comandado pelo peemedebista Maguito Vilela. Após dois dias em campanha pela cidade, a parlamentar disse que ficou constatada a ausência de trabalho pela candidatura de seu marido. “Vamos ajudar!”, acrescentou.

Em resposta, o peemedebista Kowalsky Ribeiro alegou à dona Iris que a militância do PMDB no município tem se esforçado, e que ela estaria sendo injusta. “A observação da senhora causa estranheza e a levarei para a coordenação geral da cidade. Estamos fazendo o possível com o dado”, observou. “O trabalho é tamanho que as duas maiores caminhadas da campanha de Iris foram realizadas em Aparecida de Goiânia”, continuou.

O Jornal Opção Online tentou contato com Maguito, mas, até a publicação desta matéria, não obteve retorno. Em entrevista, uma pessoa ligada ao prefeito classificou o comentário da deputada como “intriga” e lembrou que o próprio Iris reconhece o “trabalho intenso” empreendido pelo comitê municipal da campanha.

Para o pleito deste ano, nas chapas proporcionais, o comitê aparecidense tem debitado seus esforços aos candidatos por Aparecida, o que teria motivado a insatisfação de Dona Iris. Vale lembrar que o filho de Maguito, Daniel Vilela, também é candidato a deputado federal e aparece entre os sete superfavoritos para o cargo, conforme noticiou a coluna Bastidores desta semana.

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

arthur de lucca

Dr. Iris Rezende Machado deve contratar urgentemente Stephen King para escrever “A espera de um milagre II” e depois contratar o Frank Darabont para o roteiro e direção do filme e passar no “horário político gratuito” na TV, evitando com isso a “morte anunciada”. Ele poderia ter ficado fora de mais esse vexame, mas…os 16 lustros não foram suficientes para trazê-lo para a realidade.