Interfones serão usados para que advogados conversem com clientes no presídio sem risco de contaminação

A iniciativa vem de uma parceria entre  Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP) e  Diretoria e a Comissão de Direitos e Prerrogativas da Ordem dos Advogados – Seção Goiás

Casa de Prisão Provisória em Aparecida de Goiânia / Foto: Reprodução / Vitor Santana

Interfones serão instalados no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia para evitar o contágio do coronavírus no atendimento entre advogados e reeducandos. A iniciativa vem de uma parceria entre  Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP) e Diretoria e a Comissão de Direitos e Prerrogativas da Ordem dos Advogados – Seção Goiás. A novidade deve proporcionar maior conforto e segurança aos defensores quando em consulta a seus clientes, uma vez que durante a comunicação não haverá contato físico.

O diretor-tesoureiro e presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB-GO, Roberto Serra da Silva Maia, afirmou sobre a medida: “é mais uma demonstração que a OAB-GO está disposta a firmar parcerias com a administração do Sistema Prisional.” Além dos interfones, a parceria entre OAB-GO e DGAP irá promover a aquisição de protetores e suprimentos para a instalação, de acordo com a quantidade, locais de instalação nas Unidades do Complexo Prisional (Semiaberto, CPP, POG, Triagem, Presídio Feminino e Núcleo de Custódia).

Roberto Serra ainda informou que a construção da “Sala de Estado Maior” e a reforma nos parlatórios nas Unidades do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia também está sendo objeto de conclusão, conforme parceria informada na última sessão do Conselho. A medida segue orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS), da Secretaria de Estado da Saúde e as regras e protocolos de prevenção à transmissão do coronavírus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.