Integração com o mundo digital deu vida nova ao BBB

Edições com as participações de famosos e digitais influencers voltaram a alavancar audiência do reality show

Paredão no último Big Brother entrou para o Guiness Book| Foto: Reprodução / Rede Globo

Nas duas últimas edições, o Big Brother Brasil (BBB) tem sido um sucesso de audiência na TV e nas redes sociais. Iniciado em 2002, o reality show está em sua vigésima primeira edição e é a versão brasileira de um formato criado na Holanda, no final do século XX. No reality, as pessoas convivem em comunidade e a cada semana uma vai saindo da casa. O último a sair é o vencedor e, no Brasil, ganha R$ 1,5 milhão. 

Durante as primeiras 19 edições, o reality seguiu o mesmo padrão: pessoas anônimas eram selecionadas por todo o Brasil para entrar na casa e disputar o prêmio final. Sucesso de audiência no início da década passada, o BBB foi perdendo público com o passar dos anos, o que levou a uma mudança no formato. A partir de 2020, os anônimos passaram a dividir a casa com famosos ou influenciadores digitais. No início, a casa foi dividida em dois grupos (pipoca x camarote). Entretanto, logo nos primeiros dias os grupos viraram uma unidade só no confinamento. 

A mudança de formato surtiu efeito logo em sua primeira edição. Em um paredão que envolveu os participantes Manu Gavassi (camarote), Felipe Prior (pipoca) e Mari Gonzalez (camarote), o programa bateu o recorde de votos de sua história e da história dos reality shows, com mais de 1,5 bilhão de votos. A votação expressiva entrou para o Guiness Book como “a maior quantidade de votos do público conseguida por um programa de televisão”.

Celebridades nas redes

A mudança do Big Brother Brasil foi analisada pelo professor doutor em Comunicação e diretor do Game Lab do Media Lab, da Universidade Federal de Goiás (UFG), Daniel Christino. Na opinião do docente, trazer os influenciadores para dentro da casa provocou uma mobilização dos seus fãs fora dela, que foi convertida em audiência e em engajamento do programa nas redes sociais.

“O que o Big Brother conseguiu fazer foi conseguir trazer esse público do Instagram, Facebook, Twitter e YouTube para dentro do programa da Globo. Ao invés de você colocar só pessoas anônimas, você coloca pessoas que têm grande influência nas redes sociais, traz o público dessas redes sociais e mantém o apelo popular fazendo a seleção das pessoas no cotidiano”, pontua o professor.

No Brasil, o reality show “A Fazenda”, da Record, conta com celebridades em seu elenco, mas apenas pessoas da mídia, sem a presença de anônimos. Porém, o perfil dos famosos que entram no reality é diferente daqueles que vão para o BBB, pois são pessoas que já estiveram em evidência, mas que agora vivem um declínio profissional e buscam dentro do reality a chance de voltar para os holofotes.

“A Fazenda trabalha com celebridades que já estiveram no auge e agora vão para o reality para ter uma sobrevivência em termos de construção da imagem pública. O Big Brother tende a fazer um diálogo muito mais forte com as redes sociais. Essa é a grande sacada das duas últimas edições e que renovou o programa”, explica o professor a diferença entre os realities. 

Do virtual para a telinha

A mudança do formato do Big Brother passa também pela mudança do conceito de “celebridade”. Antes, a celebridade era a pessoa que estava em evidência nos meios de comunicação tradicionais (rádio, TV, jornal). Porém, com a chegada das mídias sociais nos últimos anos, o conceito se reinventou e agora a celebridade está na TV, mas também está nas redes sociais, criando conteúdo e engajando seguidores que consomem conteúdo apenas na internet, sem estar nas mídias tradicionais.

“Não é a Globo que constrói a celebridade, ela já está pronta, mas a Globo pode pegar carona no engajamento que aquela celebridade construiu nas redes sociais, essa que é a mudança de posicionamento. Aparecer na Globo é bom para eles, pois a emissora converte as pessoas que assistem para se tornar espectadoras, foi uma mudança de posicionamento”, analisa Daniel Christino a mudança do formato do reality. 

Assunto nas redes

Após anos tendo de lidar com a queda de audiência, o Big Brother encontrou a fórmula para retomar o sucesso nas duas últimas edições. Além da televisão, o reality está em evidência nas redes sociais. Memes são criados a todo momento com imagens e vídeos do programa.

No Twitter, em dias mais movimentados, como os de formação de paredão, eliminação e prova do líder, o assunto Big Brother fica entre os mais comentados da rede social – os trending topics. “Esse multiposicionamento do Big Brother era o que o pessoal procurava e conseguiu, então o modelo se renovou e ganhou vida, pois estava quase acabando”, observou o professor. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.