Investigação mira acusados de armazenar e compartilhar imagens de abuso sexual infantil na “deep web”

São cumpridos 219 mandados de busca e apreensão em quatro unidades da Federação: São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul

Na manhã desta quarta-feira, 25, as polícias Federal e Civil de São Paulo deflagraram a Operação Black Dolphin, que mira hackers acusados de armazenar e compartilhar imagens de abuso sexual infantil. Um homem foi preso em flagrante no Rio de Janeiro.

São cumpridos 219 mandados de busca e apreensão em quatro unidades da Federação: São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. A ação ocorre no âmbito da força-tarefa especial de combate ao abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes.

O nome da operação faz referência a Colônia 6 Russa, conhecida como Black Dolphin, localizada na fronteira com o Cazaquistão. Os investigados afirmam que as leis brasileiras não sustentam uma prisão e que, em função de suas habilidades, apenas esse presídio — que abriga condenados à prisão perpétua e é conhecido pelo rigor no tratamento dos detentos — seria capaz de detê-los.

(Com informações do portal Metrópoles)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.