Impasse no valor do Renda Família atrasa votação do projeto

Expectativa era de que a proposta que prevê auxílio de R$ 300 já fosse analisada nesta quarta-feira, 3, pela CCJ da Casa, mas vereador Kleybe Morais (MDB) afirma ter projeto semelhante com auxílio de R$ 500

Plenário da Câmara | Foto: Lívia Barbosa / Jornal Opção

O projeto do programa Renda Família, apresentado pela Prefeitura de Goiânia na manhã de ontem, já rende discussões na Câmara Municipal. A expectativa era de que a proposta que prevê auxílio de R$ 300 para cerca de 50 mil famílias fosse analisada nesta quarta-feira, 3, pela CCJ da Casa, mas um impasse sobre o valor do auxílio adiou a votação do projeto.

O vereador Kleybe Morais (MDB) , que diz ser autor de um projeto semelhante que já tramita na Casa e prevê auxílio de R$ 500, afirma que só abrirá mão de sua proposta se o prefeito aumentar o valor do auxílio.

“Esse projeto meu foi desenvolvido junto com a Defensoria Pública do Estado de Goiás, que foi inspirado no cidade do Rio Grande do Sul, e contempla pessoas em situação de vulnerabilidade e ele já está tramitando na Casa. E quando você já tem um projeto similar do mesmo assunto o outro não pode entrar em tramitação. Mas eu não tenho problema nenhum em retirar o meu projeto, que prevê três parcelas de R$ 500, desde que o Paço aumente o auxílio para este valor”, afirma o vereador.

O líder do prefeito, vereador Sandes Júnior (Progressistas) garante que a prefeitura não tem condições de oferecer um auxílio de R$ 500. “Nós temos que conversar. A prefeitura tem um orçamento para este ano de R$ 6,5 bilhões. Essas quase 50 mil famílias serão atendidas dentro desse orçamento porque o prefeito pegou a prefeitura sanada e equilibrada financeiramente. O máximo que pode ser dado é de R$ 300 . Vamos dizer pra ele [ Kleybe] que é melhor ter R$ 300 para quase 50 mil famílias do que R$ 500 para ninguém, porque a prefeitura não tem condições de pagar os R$ 500 reais”.

O presidente da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJ), vereador Henrique Alves (MDB) diz que não tem conhecimento sobre o projeto do vereador Kleybe e é preciso analisar se existe conexão entre eles. “Fato é que o projeto dele é inconstitucional porque essa é uma iniciativa que deve partir do prefeito”, resumiu. “O que tem que ficar claro é que independente de base ou oposição, esse projeto é importante para Goiânia”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.