IBGE mostra posição de destaque nacional da produção industrial goiana

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística apontam avanço de 0,8% em relação a março no setor em Goiás, com o quarto maior crescimento

industrias

Das 14 praças pesquisadas pelo IBGE no País, apenas cinco tiveram avanços em abril

Puxado por uma grande produção de adubos e fertilizantes, o parque industrial goiano registrou em abril o quarto maior crescimento em produção do País. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam um avanço de 0,8% em relação a março. Isso significa que, mesmo diante do cenário de crise, em que o mercado tende a diminuir o ritmo, as máquinas industriais em Goiás aumentaram sua produção de bens.

O resultado colocou Goiás no seleto grupo de estados que tiveram alta na produção fabril. Das 14 praças pesquisadas pelo IBGE no País, apenas cinco tiveram avanços em abril. Além de Goiás (0,8%), Pernambuco (10,2%), São Paulo (2,6%), Minas Gerais (2,4%) e Rio de Janeiro (0,7%) foram os únicos a registrarem saltos de produção. A média nacional ficou em 0,1%. Ou seja, Goiás registrou um resultado superior à média brasileira.

A alta de 0,8% da produção goiana é registrada depois da expansão de 13,2% em fevereiro e recuo de 2,5% em março último. Na comparação com abril de 2015, o setor industrial goiano recuou 5,5%. A taxa anualizada, índice acumulado nos últimos doze meses, está em -2,9%.

A indústria goiana também impulsionou a geração de empregos no mês de abril.  Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), o setor foi responsável por 52% dos postos de trabalho gerados naquele mês.

Imagem: Gabinete de Imprensa

Imagem: Gabinete de Imprensa

Dos 5.170 postos de trabalho gerados em Goiás no quarto mês do ano, 2.709 (52%) foram abertos na indústria. O desempenho do Estado foi melhor do que em março, quando ocupou a 2ª posição no país na geração de empregos.  A agricultura ficou em segundo lugar na geração de empregos em abril, com 2.134 empregos formais abertos em Goiás.

A indústria de transformação e o agronegócio foram as principais responsáveis pela geração de novos empregos em Goiás. A média nacional de emprego do Brasil apresentou recuo de 0,3% em março (-118.776 postos de trabalho) e de 0,8% (-319.150) no acumulado do ano.

A expansão da indústria goiana e o crescimento na geração de empregos foram fortalecidos com as missões comerciais que o governador Marconi Perillo (PSDB) tem realizado desde o seu primeiro governo.

As missões do ano passado até agora, por exemplo, proporcionaram, dentre outros, novos investimentos no Estado, como a instalação de uma fábrica da Heineken, em Itumbiara, com a aplicação de R$650 milhões. (Com Gabinete de Imprensa)

Deixe um comentário