Hospital de Urgências de Trindade também investiga morte de paciente por H1N1

Homem pode ser outra vítima, além dos internos da Vila São Cottolengo. Laudo deve sair em 180 dias

O Hospital de Urgências de Trindade (Hutrin) investiga a morte de um paciente por influenza A causada pelo vírus H1N1. O homem pode ser uma vítima além dos três confirmados pelo surto na Vila São Cottolengo.

De acordo com Roberto Zonta, diretor técnico do Hutrin, o corpo já foi para verificação de óbitos, mas o laudo ainda não saiu, e deve ser liberado em pelo menos 180 dias.

No último domingo (11/3), morreu Rosa Maria dos Santos, de 54 anos, uma dos três pacientes internos no Hospital Vila São Cottolengo diagnosticados com H1N1, no município de Trindade, na Região Metropolitana da capital.

A mulher estava internada em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo). Na última semana, outros sete pacientes morreram, mas ainda não há confirmação sobre a causa das mortes.

A assessoria de imprensa do Hugo informou que Rosa Maria havia sido internada por conta de uma infecção pulmonar. Ela estava em estado grave respirando com ajuda de aparelhos, e morreu por volta das 17h20 de domingo.

Conforme a assessoria de comunicação da Vila São José Bento Cottolengo, a morte foi ocasionada por sepse, que “pode ter sido agravada por complicações do quadro de H1N1, já que o paciente havia sido diagnosticado com a doença.”

O hospital aguarda vaga para que outro paciente seja encaminhado a uma UTI.

Casos

Magda Carvalho, diretora de vigilância epidemiológica da Secretaria da Saúde do Estado de Goiás (SES-GO), informou que o período de vacinação depende da liberação do Ministério da Saúde, e está prevista apenas para o próximo mês.

Segundo ela, uma medida eficaz contra o surto é evitar grandes aglomerados, principalmente quem pertence a população de risco, como crianças pequenas e idosos. Além disso, é possível usar lenço ao tossir e lavar as mãos.

Deixe um comentário