Chefe de relações internacionais, Basem Naim, repreendeu senador após tuíte polêmico que desejava que grupo “se exploda”

Hamas chama Flávio Bolsonaro de filho de extremista
Foto: Reprodução

Há alguns dias, o filho de Jair Bolsonaro (PSL), senador Flávio Bolsonaro (PSL-SP), publicou [e apagou rapidamente] no Twitter, que queria que queria que o Hamas se explodisse. A postura se deu após o grupo islâmico político e militar, considerado terrorista pelos EUA e Israel, repudiar em nota a fala do presidente à abertura de um escritório de negócios pelo governo brasileiro em Jerusalém.

A postura de Flávio, mesmo arrependida, gerou novas consequências. Na sexta-feira, 5, o Hamas, por meio de seu chefe de relações internacionais, Basem Naim, chamou o senador de “filho de extremista”. Segundo ele, em texto em rede social, o filho do presidente ataca o grupo “porque rejeitou o apoio ilimitado à ocupação israelense do novo governo brasileiro, em contradição ao apoio histórico do Brasil aos direitos palestinos”.

Além disso, Naim publicou que “Jerusalém é um território ocupado, de acordo com o direito internacional, e ninguém, incluindo Jair Bolsonaro, tem o direito de legitimar a ocupação israelense”. Para Naim, a decisão do governo brasileiro [de abrir o escritório] pode prejudicar relações históricas com palestinos, muçulmanos e árabes.

Atualmente o Hamas controla a faixa de Gaza e mantém hostilidades com Israel. Ainda na sexta, o presidente Bolsonaro disse não querer “problemas com a palestina” e que são um povo “maravilhoso”. “Uma parte trabalha em Israel, escondido até, para não sofrer retaliação. A comunidade árabe é muito grande no Brasil, votaram em mim grande parte. Vamos continuar fazendo negócio com a Palestina, vamos ampliar até. Eu quero fazer negócio com o mundo todo”.

Mais repercussão

Na quarta-feira, 4, o deputado Alceu Moreira (MDB-RS), presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), teria sido presenciado por repórteres de O Globo, em um momento de fúria. Ele teria dito à Joice Hasselmann (PSL) e ao goiano Major Vitor Hugo (PSL): “Chega! Chegamos ao limite! Não dá mais! Acabou a paciência!”

Ainda conforme os jornalistas, Joice e Vitor Hugo tentaram acalmar o colega, mas este não ficou para conversar. Ressalta-se que setor agropecuário do Brasil é o maior exportador global de proteína halal, ou seja, preparada conforme as tradições islâmicas. Cerca de 1,8 bilhão de muçulmanos fazem parte desse mercado.

Flávio chegou a publicar, na quinta-feira, 4, depois do tuite polêmico que o episódio era “página virada”. O novo posicionamento do Hamas ocorreu na sexta.