Haddad comenta ação contra Marconi às vésperas das eleições: “Promotor não pode fazer política”

Petista foi questionado se vê “caráter eleitoreiro” em ações de órgãos institucionais, justamente no período que antecede o pleito

Foto: Mayara Carvalho

Em Goiânia para cumprir agenda, o candidato à Presidência pelo PT, Fernando Haddad, falou à imprensa sobre a operação da Polícia Federal que investiga pagamentos indevidos de valores a agentes públicos em Goiás e que teria como principal articulador o ex-governador e candidato ao Senado Marconi Perillo (PSDB).

Haddad, que também foi denunciado durante a campanha eleitoral, foi questionado se vê “caráter eleitoreiro” em ações de órgãos institucionais, justamente no período que antecede o pleito.

Em resposta, ele afirmou que cabe ao Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) abrir ou não investigação sobre “eventual partidarismo por parte de instituições que não deveriam ter caráter partidário” e ressaltou que “promotor não pode fazer política”.

“No meu caso, o CNMP abriu investigação para apurar a conduta do promotor”, explicou.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.