Daniella Perez era uma bela atriz e bailarina — filha da autora de novelas da TV Globo Glória Perez — quando foi assassinada pelo, na época, ator Guilherme de Pádua e pela então mulher deste, Paula Nogueira Thomaz. Daniella Perez, de 22 anos, tinha uma carreira promissora, pois era talentosa.

Guilherme de Pádua foi preso e condenado pelo assassinato, ao lado de sua ex-mulher Paula Nogueira Thomaz. Eles cumpriram a pena e estão livres. Agora, segundo o jornal “O Dia”, o ex-ator confidenciou a um amigo que pretende processar o Google, o mais acessado site de busca do mundo, com o objetivo de “limpar” seu nome. “Guilherme costuma dizer que já pagou o que devia na Justiça”, relata o colunista Léo Dias. O objetivo da ação supostamente é retirar da internet as reportagens sobre o assassinato. Mas ele não quer, afirma o jornalista, que a ação ganhe repercussão, como se isto fosse possível.

Léo Dias destaca que “o ator teme que Glória Perez, mãe de Daniella, mobilize a população e seu processo contra o Google não vá adiante”. O jornalista acrescenta: “Desculpa, Guilherme. Mas, a essa hora, a novelista já sabe de sua intenção”. Guilherme de Pádua deixa de perceber que, quanto mais mexe no caso, mais amplia a cobertura dos jornais e os sites de busca passam a ter mais material para divulgar para os leitores. Se estiver sendo orientado por advogados, na questão do processo contra o Google — e se isto realmente for verdadeiro —, Guilherme de Pádua deveria trocar de profissional.

A situação pessoal de Guilherme de Pádua parece que não é muito boa, pelo menos é o que sugere “O Dia”. “Guilherme é réu num processo de execução fiscal”, no qual “é cobrado ao ator o valor de R$ 5.970 de um tributo. A briga judicial corre na comarca de Belo Horizonte, cidade onde Guilherme mora atualmente. Um oficial de justiça tentou citar o ator, mas ele não foi encontrado em sua casa”, informa o jornal do Rio de Janeiro.

A pendenga judicial contra o Google, um gigante internacional, pode não ser uma boa ideia. Seu caso, longe de sair da mídia, tende ganhar maior repercussão.

Guilherme de Pádua talvez não saiba que o Poder Judiciário não pode ser usado para apagar a história dos indivíduos. A história de Guilherme de Pádua, mesmo ele tendo cumprido a pena, inclui o assassinato brutal da atriz Daniella Perez. Pode ser que ele seja um cidadão de bem hoje, mas a mancha do passado não tem como ser apagada. Mas é claro que o ex-ator tem direito de reconstruir sua vida em todos os aspectos e todos, inclusive a imprensa, devem entender isto.