Governo irá impor restrições até alcançar nível de isolamento de 50% em Goiás

“Manter as pessoas em isolamento por muito tempo não é algo fácil”, diz superintendente de Vigilância em Saúde da Secretaria Estadual de Saúde

O trabalho feito pela Secretaria Estadual de Saúde em parceria com a UFG e Instituto Mauro Borges trabalha com uma taxa de isolamento mínima de 50% a ser alcançada com o novo decreto que será publicado em Goiás. “Esse índice é essencial para termos uma situação mais tranquila em relação ao número de casos e de internações”, defende a superintendente de Vigilância em Saúde da Secretaria Estadual de Saúde (SES-GO), Flúvia Amorim.

Sobre as medidas que serão adotadas para o alcance desse nível mínimo de isolamento, o grupo de trabalho de enfrentamento à Covid-19 irá acompanhar o que será efetivo para este alcance. “Vamos precisar testar e ser não chegarmos, outras medidas precisarão ser tomadas”, explica Flúvia Amorim. “O ‘como fazer’ é uma decisão do governo estadual em parceria com as secretarias e prefeituras”, acrescenta.

Segundo ela, não é possível afirmar que o fechamento de igrejas e mais fiscalização por exemplo sejam medidas suficientes para que o índice minimo desejado seja alcançado. A conscientização da população, medidas mais duras e fiscalização são a aposta de Goiás para impedir o crescente aumento no número de casos e colapso do sistema de saúde.

“Manter as pessoas em isolamento por muito tempo não é algo fácil, ainda mais no Brasil, um país com uma cultura de proximidade, de abraçar e beijar as pessoas. Outra questão que tem dificultado o isolamento é o fato de a situação epidemiológica estar mais tranquila, o que leva algumas pessoas a acharem que não existe essa necessidade ou que é exagero”, explica a superintendente de Vigilância em Saúde.

Para Flúvia, esses dois pontos podem ter sido cruciais para que as pessoas se sintam tranquilas e estejam indo para as ruas, abrindo seus comércios e se sentirem protegidas. O trabalho, agora, é conseguir aumentar o isolamento em todo o Estado, que já chegou ao melhor patamar do país e, atualmente, amarga os piores índices. Principalmente em sua capital.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.