Governo do Ceará anuncia força-tarefa para investigar chacina de Cajazeiras

Seccional da OAB considera pedir intervenção federal no Estado para controlar a segurança pública

A chacina ocorreu na casa de eventos conhecida por “Forró do Gago” Divulgação/Sinpol/Ce

O governador do Ceará, Camilo Santana, vai montar uma força-tarefa para investigar a chacina ocorrida na madrugada do último sábado (27/1) no bairro Cajazeiras, em Fortaleza. Com 14 mortes confirmadas, esta foi a maior chacina registrada no estado.

De acordo com a Secretária de Segurança Pública, o fato ocorreu em uma casa de eventos, conhecida por “Forró do Gago”, na Rua Madre Tereza de Calcutá. Homens armados desembarcaram de veículos e atiraram contra as pessoas que estavam no estabelecimento.

Em seguida, fugiram. Foram confirmados 14 óbitos no local, sendo oito vítimas do sexo feminino e seis do sexo masculino.

Pelas redes sociais, o governador Camilo Santana referiu-se à chacina como “ato selvagem e inaceitável”. No texto, ele afirmiou que convocou imediatamente o secretário André Costa e a cúpula da Secretaria de Segurança, determinando “rigor absoluto nas investigações e busca incessante dos criminosos.

Santana quer que todos os envolvidos sejam identificados e presos o mais rápido possível. “Não aceitaremos de forma alguma que esse tipo barbárie fique impune. Confio na nossa polícia e tenho absoluta convicção de que uma resposta será dada muito em breve”, afirmou o governador.

Uma pessoa foi presa, suspeita de participação nas mortes, e um fuzil foi apreendido. Outras pessoas já foram identificadas. A polícia trabalha para prender os suspeitos, auxiliada por outros órgãos públicos.

Intervenção

A seccional da Ordem dos Advogados do Brasil do Ceará (OAB–CE) poderá entrar com pedido de intervenção federal no estado, após esta que foi a maior chacina já registrada. A Ordem vai convocar para quarta-feira (31) uma sessão no pleno do conselho para tratar da segurança pública do estado.

O presidente da Comissão de Segurança Pública da OAB-CE, Francisco Garisto, afirmou hoje (28) que o pedido de intervenção poderá ser uma das deliberações.

Segundo a assessoria de imprensa do órgão, a reunião será pública e serão convidados para participar o secretário de Segurança Pública e Defesa Social do estado, André Costa, e a secretária de Justiça e Cidadania, Socorro França. A partir de segunda-feira (29), o tema também será tratado internamente.

“Temos 15 mortes por dia. Não tem isso nem na Síria ou no Iraque. No ano passado foram 5.440 mortes e, somente neste mês de janeiro, já morreram mais de 400”, disse Garisto. Para a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social, foram 200 homicídios registrados no estado em janeiro.

Conforme Garisto, a medida deveria ter sido tomada antes mesmo da chacina. Ele acredita que mais mortes ocorrerão no estado.

No sábado à noite, a OAB-CE divulgou nota, na qual diz: “O ocorrido comprova o que a sociedade cearense já vem presenciando no seu cotidiano. Estamos vivendo um colapso na segurança pública e, a cada dia, nos tornamos reféns de atos da violência urbana, situação que se repete no interior do estado, com a presença do crime organizado desafiando o poder estatal”.

A nota acrescentou que uma real mudança é necessária. “A OAB do Ceará sugere uma reforma na segurança pública, com ações planejadas, combativas, atuantes e efetivas, garantindo investimentos em políticas públicas, com equipamentos adequados, inteligência das polícias e demais ferramentas que garantam uma investigação eficaz para cada cidadão cearense.” (Com Agência Brasil)

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.