“Governo deveria esforçar-se para combater as fraudes do DPVAT”, diz Andrey Azeredo

Parlamentar diz que acidentes continuarão a existir e, sem o DPVAT, os orçamentos públicos da Prefeitura de Goiânia e do Estado serão impactados 

Andrey Azeredo (MDB) | Foto: Reprodução

O vereador e ex-titular da Secretaria Municipal de Trânsito, Transporte e Mobilidade (SMT), Andrey Azeredo (MDB), falou ao Jornal Opção sobre a decisão do presidente Jair Bolsonaro de acabar com o seguro obrigatório DPVAT, que indeniza vítimas de acidentes de trânsito.

Para o parlamentar, a Medida Provisória (MP) mostra a insensatez e falta de planejamento por parte do governo federal. “A extinção do seguro, justificada pelo número de fraudes que ocorrem, impactará negativamente, a médio e a longo prazo, o SUS, que recebia recursos oriundos da arrecadação do DPVAT”, pondera.

Andrey ressalta que o Sistema Único de Saúde (SUS) está longe de um padrão de excelência, e com menos recursos terá ainda mais dificuldades em atender as vítimas de acidentes de trânsito. “O fato é que o governo deveria esforçar-se para criar mecanismos mais eficazes para combater as fraudes do DPVAT ao invés de extingui-lo”, defende.

Outro ponto lembrado pelo vereador é a questão dos serviços de entrega por aplicativo, que tem sido a saída para milhares de desempregados no País. “É justo que estas pessoas, a maioria trabalhando em cima de motos, tenham acesso a um seguro público”, afirma Azeredo.

Bolsonaro x Bivar

Andrey também criticou o fato de que a decisão administrativa de extinguir o DPVAT tenha sido tomada com o intuito de prejudicar o presidente do PSL, Luciano Bivar, que tem participação na empresa Excelsior Seguros detém cerca de 1% da Seguradora Líder, consórcio que administra o seguro DPVAT.

“Ter uma decisão administrativa baseada em suposta picuinha político-partidária é horrível. Esse não pode ser o caminho que nós brasileiros podemos compactuar”, defende Andrey. “O DVPAT não é custeado pelo poder público, mas sim pelos condutores. Se o seguro tem falhas e corrupção, isso precisa ser apurado. É preciso ter responsabilidade e corrigir os desvios”, completa.

Impactos em Goiás

O parlamentar lembra ainda que os acidentes continuarão a existir e, sem o DPVAT, os orçamentos públicos da Prefeitura de Goiânia e do Estado serão impactados aos terem que arcar com os custos provenientes do alto número de acidentes. “As estatísticas só aumentam, perdemos vidas e milhares de pessoas ficam com sequelas graves. E sem a fonte do DPVAT teremos menos recursos para investimentos, pois eles serão drenados para custear o tratamento dos acidentados”, conclui.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.