Governo de Goiás firma acordo com o Banco Mundial para avaliação das OSs na Educação

Parceria foi selada nesta sexta-feira em solenidade no Palácio Pedro Ludovico Teixeira

Governador Marconi Perillo e presidente do Banco Mundial, | Foto: Divulgação

Governador Marconi Perillo e presidente do Banco Mundial, Martin Raiser| Foto: Divulgação

O governo de Goiás, por meio da Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esporte (Seduce), firmou, na manhã desta sexta-feira (17), um acordo com convênio com o Banco Mundial para cooperação no desenvolvimento, implementação e avaliação do programa de gestão compartilhada das escolas estaduais com as Organizações Sociais Educacionais (OSEs).

Para o governador Marconi Perillo (PSDB), a participação da organização vai dar condições a Goiás de trabalhar com mais segurança e com maior eficiência: “Ter o selo do Banco Mundial será muito importante para esse projeto. Tenho certeza que essa experiência será, daqui a alguns anos, comemorada pelo Banco Mundial como uma história de sucesso que ajudou a transformar a educação em todo o Brasil”.

A solenidade ocorreu no 10º andar do Palácio Pedro Ludovico Teixeira e contou com a presença do diretor do Banco no Brasil, Martin Raiser, de consultores da instituição e da secretária de Educação Raquel Teixeira. Em pronunciamento, Marconi afirmou que sua maior motivação na última eleição foi o desafio de mudar a Educação no Estado com ênfase na qualidade. “Quero mudar completamente a cultura da gestão da Educação no nosso País”, disse.

Raiser lembrou a importância da Educação no desenvolvimento de um País e parabenizou Marconi e sua equipe pela “ousadia” e “vontade” de transformar a área. “O experimento que vocês estão começando em Goiás é verdadeiramente novo e importante. Tenho muita satisfação em acompanhá-lo. Sabemos que o problema na educação no Brasil não é falta de recursos, mas sim a administração deles. Agradecemos esta oportunidade de trabalharmos em parceria com Goiás”, afirmou.

Segundo o governo o trabalho em conjunto do Banco Mundial e o Estado de Goiás, por intermédio da Seduce, pretende “compartilhar conhecimento, ideias e lições aprendidas; planejar atividades conjuntas em áreas de interesse comum; conjugar esforços e capacidades; utilizar da melhor maneira os recursos e facilidades e periodicamente avaliar a efetividade de trabalharem em conjunto”.

No modelo de gestão compartilhada, as OSEs receberão recursos por número de alunos atendidos, para gerenciar não só a infraestrutura e a manutenção da escola, mas também para apoiar o desenvolvimento das atividades pedagógicas definidas pela Seduce, incluindo a seleção de professores. A contrapartida, como frisa o governo, será baseada no aumento de eficiência na gestão da escola, por meio de modelos de gestão mais flexíveis e ganhos de escala; e a criação de um ambiente para a inovação pedagógica e alcance de resultados.

Para o governo, a parceria engrandece uma missão que é fazer na escola pública um modelo ágil e eficiente. “Queremos uma escola em que o aluno pobre tenha a mesma qualidade das escolas particulares”, reafirmou Raquel. “Vamos repassar às OSs na Educação os recursos que hoje gastamos por aluno. Portanto, será um recurso baseado no número de alunos. Nós teremos economia na gestão para bons resultados e uma gestão eficiente”, acrescentou.

De acordo com ela, o edital do programa das OSs na Educação deve ser publicado rapidamente, pois já se encontra na Casa Civil e na Procuradoria Geral do Estado (PGE). “Acredito que em agosto já teremos o novo modelo nas 23 escolas públicas da cidade de Anápolis”, adiantou.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.