Governador diz que missões foram fundamentais para o crescimento econômico de Goiás

Marconi participou de mais um #PapoComGovernador, que agora passa a ser transmitido pelo Facebook

Governador Marconi Perillo em conversa com internautas, por meio das redes sociais | Foto: Divulgação

Governador Marconi Perillo em conversa com internautas, por meio das redes sociais | Foto: Divulgação

O governador Marconi Perillo (PSDB) utilizou a plataforma nas redes sociais para responder perguntas dos internautas na tarde da última segunda-feira (23/5) e aproveitou para explicar os impactos das missões internacionais na economia do Estado. O #PapoComGovernador inaugurou, antes divulgado apenas no Youtube, passou a ser transmitido também no Facebook.

Marconi começou por lembrar que Goiás cresceu muito no conceito nacional e internacional nos últimos anos, sendo que a maior prova e maior consequência do sucesso das missões comerciais são o fato de que Goiás, há 16 anos, tinha o PIB de R$ 17,4 bilhões, e hoje alcançou o patamar de R$ 170 bilhões.

“Houve uma multiplicação por dez do PIB. Por outro lado, nossas exportações foram multiplicadas por 20 nesse período. Nós exportávamos R$ 384 milhões de dólares há 16 anos, e já estamos passando de R$ 7 bilhões de dólares em exportações. Isso tudo resultou em um grande benefício social que se chama emprego, melhoria de renda”, observou.

Ressaltou que, nos últimos 10 anos, Goiás viu diminuir as diferenças de renda entre os 20% de pessoas de baixa renda e os 20% de goianos de renda mais alta de sua população, de modo que a renda da população com menor poder aquisitivo foi multiplicada por 7,5, enquanto a de maior poder aquisitivo foi multiplicada por pouco mais do que três. “Isso tudo aconteceu por conta de investimento produtivo.

Não foi por conta de transferência de renda, não foram os programas sociais que resultaram na diminuição das desigualdades sociais no nosso Estado. Então, o valor das missões comerciais é fundamental”, declarou.

Questionado sobre o conhecimento de Goiás em países como os Estados Unidos, onde esteve recentemente, o governador ressalvou que poucas pessoas lá fora conhecem estados do Centro do Brasil, ou estados que antes eram considerados periféricos. “A referência aos olhos do mundo sempre foi São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, porque é a capital. Hoje as pessoas querem saber o que acontece na Região Centro-Oeste, que é o gigante da produção alimentícia; da diversificação da economia, da geração de empregos e das exportações”, pontuou.

Disse que, na missão realizada em Nova York, na última semana, teve a oportunidade de explicar o que aconteceu politicamente no Brasil nos últimos dias, com foco na retomada da confiança dos investidores no país e em Goiás. “Falei da legalidade, da constitucionalidade de todos os procedimentos que foram tratados pelo Congresso Nacional, com o respaldo e a definição de ritos pelo Supremo Tribunal Federal. E, ao mesmo tempo, pudemos falar do nosso otimismo moderado em relação ao futuro da economia. O presidente em exercício, Michel Temer, colocou na economia, nos principais bancos e à frente do Ministério da Fazenda, do Tesouro Nacional, do Banco Central, homens públicos altamente experientes, e com uma credibilidade muito grande em todos os segmentos produtivos econômicos do país e do exterior”, disse.

Marconi informou aos investidores que Goiás é o segundo maior produtor de etanol, de açúcar, de cana de açúcar do Brasil. É a terceira principal província mineral do Brasil, e um dos grandes produtores de alimentos: “E temos serviços da mais alta qualidade que são prestados em todas as áreas, especialmente nas áreas de novas tecnologias da informação, e uma indústria que cresceu muito mais acima da média brasileira”.

Ele destacou que, ao longo de seus mandatos, foram realizadas mais de 30 missões internacionais, que resultaram numa forte inserção de Goiás em mercados que não compravam e não vendiam para Goiás. “Para se ter uma ideia, até começarmos essas missões Goiás tinha relações comerciais com cerca de 40 países. Hoje já temos transações comerciais, importamos e exportamos para mais de 150 países. Muitos grandes empresários goianos não conseguiam exportar seus produtos para fora por falta de oportunidade e de conhecer interlocutores nesses países. Hoje nós enviamos contêineres de carnes de suínos, de frangos, de bovinos; enviamos minerais, produtos semi elaborados, industrializados, alimentos para o mundo todo”, observou.

Segundo o governador, há cada vez mais curiosidade de se conhecer o Estado de Goiás: “Outra agenda que abri foi com os embaixadores estrangeiros acreditados no Brasil. Eu recebo toda semana pelo menos um ou dois embaixadores para conversar sobre as relações de Goiás com os países estrangeiros e, principalmente, para convidá-los a trazer investidores para cá, especialmente em tempos de crise. Eu aproveitei as oportunidades trazidas pela crise para buscar alternativas que garantissem a Goiás sair primeiro da crise. Primeiro com uma forte gestão econômica, reduzindo gastos, diminuindo o tamanho da máquina administrativa. Depois, impulsionando a criação do Consórcio Brasil Central. É preciso mostrar o potencial do nosso Estado e região”. (Com Gabinete Imprensa)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.