Goiás registra mais de 2 mil casos de estupro em adolescentes até 19 anos em 2020

Unicef explica que o local de ocorrência dos crimes violentos contra crianças e adolescentes varia de acordo com a faixa etária

Goiás registra mais de 2 mil casos de estupro em adolescentes até 19 anos em 2020 | Foto: Reprodução

Panorama da Violência Letal e Sexual contra Crianças e Adolescentes no Brasil do Fundo Internacional de Emergência das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, nesta sexta-feira, 22, mostra que, apenas em 2020, 176 crianças e adolescentes até 19 anos foram mortas de forma violenta em Goiás. Já no Brasil, desde 2017, esse número sobe para cerca de 35 mil. De acordo com o estudo, o local de ocorrência dessas violências se altera conforme a idade das vítimas.

Crianças, por exemplo, na maior parte das vezes são violentadas dentro da própria casa, enquanto adolescentes morrem majoritariamente fora de suas residências, se consistindo como vítimas da violência armada urbana ou racismo. Os dados desse Panorama foram obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação, de modo que cada estado brasileiro forneceu boletins de ocorrência dos últimos cinco anos contra crianças e adolescentes.

Embora o maior número das vítimas computadas sejam adolescentes – 31 mil, das 35 mil registradas no Brasil entre 2012 e 2020 – o número de crianças com mortes violentas ainda é expressivo. Só em 2020, em cenário nacional, 213 crianças morreram violentamente. “A violência contra crianças e adolescentes é um problema grave, que precisa ser cada vez mais discutido por nossa sociedade. São vítimas dentro de suas próprias casas enquanto são pequenas e sofrem com a violência nas ruas quando chegam à pré-adolescência”, diz Samira Bueno, diretora executiva do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Foi percebido aumento na faixa etária de até 4 anos. Em um recorte de raças, percebe-se que 56% das crianças de até 9 anos mortas de forma violenta eram negras. Além disso, 33% eram meninas e 40% morreram dentro da própria casa. Quanto a causa desses crimes, 46% foram com o uso de armas de fogo e 26% com armas brancas ou agressão física.

No entanto, independente da idade, as principais vítimas são os meninos negros – categoria que também tem destaque na faixa entre 15 a 19 anos, na transição do que se configura violência doméstica para violência armada urbana. Isso, porque nesta última faixa etária, mais de 90% das vítimas de mortes violentas são meninos, e 80% são negros. Em grande parte dessas mortes que ocorrem fora de casa são utilizadas armas de fogo ou ocorrem em intervenções policiais.

A violência sexual, por outro lado, ocorre principalmente na infância e no início da adolescência, sendo as principais vítimas – quase 80% – as meninas. A faixa etária com mais incidência de casos é entre 10 e 14 anos, sendo os 13 anos a idade mais frequente. Já aos meninos, ocorre com maior frequência entre os 3 e 9 anos de idade. Em Goiás, foram registrados 2.135 casos de estupro em pessoas até 19 anos, em 2020.

Veja recomendações da UNICEF para à prevenção da violência contra crianças e adolescentes:

Entre as recomendações, estão: a não banalização de qualquer tipo de violência, a necessidade de testemunho e denúncia sob qualquer suspeita ou conhecimento de violência contra crianças e adolescente e a capacitação de pessoas que trabalham com esse público jovem. Além disso, é necessário trabalhar com as polícias para prevenir a violência, investir no monitoramento e geração de evidências, e da própria responsabilização dos autores das violências.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.