“Goiás pode sofrer consequências se houver corte no Sistema S”, diz presidente da Fieg

Ministro da Fazenda, Paulo Guedes, ameaçou em dezembro “meter a faca” no modelo, formado por organizações e instituições referentes ao setor produtivo

Foto: Alex Malheiros

Muito ainda se fala sobre os possíveis corte no Sistema S, medida comentada pelo ministro da Fazenda, Paulo Guedes, em dezembro de 2018, antes mesmo de assumir o cargo. Caso se concretize a decisão, o presidente da Federação das Indústrias do Estado de Goiás (Fieg), Sandro Mabel, garante que Goiás sofrerá consequências sérias.

“Principalmente em relação à educação e qualificação profissional, que são os dois pilares para o crescimento de qualquer país e que hoje são desenvolvidos com eficiência pelo sistema Sesi e Senai, que fazem parte do Sistema Fieg, mantidos pela indústria”, disse.

Mabel considera desastrosa a possibilidade de cortes no Sistema S e revelou que hoje uma redução de 30% nas receitas do Sesi e Senai em Goiás traria consequências graves para todos, especialmente, empresas, trabalhadores, sociedade.

“Estimativas preliminares apontam o fechamento de seis ou sete das 28 unidades das instituições, a eliminação de mais de 76 mil matrículas e demissão de até 800 funcionários. A redução de receitas implicaria ainda em o Sesi não ter como aceitar mais de 40 mil participantes de ações educativas, não prestar atendimento e procedimentos médico, ocupacional e odontológico, vacinação e exames complementares a mais de 100 mil pessoas, além de o Senai reduzir drasticamente a formação e qualificação profissional necessária à indústria goiana”, explica.

O presidente ainda ressaltou a importância do investimento e lembrou que Goiás é referência em formação de profissionais para indústria. “Somos líderes mundial na fabricação de equipamentos agrícolas, a John Deere possui três centros de treinamentos no Brasil, um aqui no Senai Vila Canaã. A empresa investiu R$ 6 milhões na unidade porque a instituição tem credibilidade”, falou Sandro Mabel.

Após a fala de Guedes de “meter a faca” no Sistema S em dezembro do ano passado, o governo não voltou a falar sobre o assunto. Dessa maneira, não há notícias se o corte realmente ocorrerá, a partir de quando e em quais patamares.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.