Goiás conclui licenciamento ambiental de mineradora que vai explorar terras raras em Minaçu

Serra Verde investirá R$ 580 milhões no município e vai gerar mais de 7 mil postos de trabalho

Funcionário da Mineração Serra Verde manuseia material de mina de onde serão retirados minerais de terras raras | Foto: Reprodução

O estado de Goiás cumpriu com todas as etapas de licenças ambientais da empresa Serra Verde Pesquisa e Mineração, que vai explorar terras raras no município de Minaçu, no Norte do Estado. “A partir de agora, a empresa já pode contratar as pessoas. Estamos respondendo com rapidez e celebridade à população de Minaçu”, destaca o governador Ronaldo Caiado (DEM).

O último passo foi dado no dia 21 de maio, com a emissão da autorização de supressão da vegetação local onde se dará a instalação da empresa, que será reposta com todo cuidado e seguindo recomendações da Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad).

“O minério que sai de Minaçu vai voltar a gerar emprego, renda e, consequentemente, qualidade de vida à população local. Com todo respeito ao meio ambiente, garantindo aos cidadãos o acesso ao emprego, que é o maior programa social do mundo”, ressalta Caiado.

A Serra Verde Pesquisa e Mineração investirá cerca de R$ 580 milhões, gerando ao longo dos 18 meses de implantação, mais de 1,5 mil empregos diretos e seis mil indiretos. Desde 2013, a empresa estava com o pedido de licença, mas nunca tinha obtido uma resposta. Antes mesmo do investimento para a implantação do empreendimento, a mineradora havia aplicado em Minaçu mais de US$ 70 milhões em pesquisas.

Terras raras

O grupo de elementos conhecido como “terras raras” (ETR) é composto de 17 elementos químicos utilizados na indústria de ponta e que podem ser usados em várias aplicações, como: produção de ímãs de alta potência (usados na geração de energia limpa, como turbinas eólicas e carros elétricos), catalisadores na indústria de petróleo, equipamentos médicos (ressonância magnética), lasers médicos, produção de luminescentes para a indústria óptica eletrônica e fabricação de supercondutores.

Com a descoberta da jazida de Minaçu, o Brasil pode despontar internacionalmente, tornando-se uma das maiores jazidas de terras raras do mundo, concorrendo diretamente com a China, até então a maior existente. E, a Serra Verde tem um importante diferencial: a técnica de exploração utilizada retira os elementos da terra sem prejudicar a natureza.

“Uma ideia extremamente inovadora, utilizando sal de cozinha misturado à água, conseguindo separar os elementos sem poluir o ambiente, diferente do que acontece na China”, explica o titular da Secretaria de Estado de Desenvolvimento e Inovação (Sedi), Adriano da Rocha Lima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.