Os registros de dengue em Goiânia experimentaram uma diminuição de 66,3%, ao passo que no Brasil houve um aumento de 17,5% nos casos da doença entre 2022 e 2023, conforme dados divulgados pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e pelo Ministério da Saúde (MS). No último ano, os Agentes Comunitários de Endemias (ACEs) efetuaram 2.659.472 visitas a diversas categorias de propriedades, abrangendo áreas e terrenos, no combate ao mosquito Aedes aegypti. A administração municipal de Goiânia também empreendeu esforços na remoção de mais de 800 mil toneladas de entulho clandestino das vias públicas da Capital.

“Nosso foco é incentivar uma mentalidade preventiva, que envolve evitar a formação de criadouros do mosquito Aedes aegypti. A participação ativa da população é crucial nesse processo. É imperativo colaborar com nossos agentes e eliminar locais suscetíveis ao acúmulo de água parada. Com a cooperação entre a Prefeitura e a comunidade, podemos manter os índices positivos mesmo durante o período chuvoso”, destaca o prefeito Rogério. A população pode denunciar residências com possíveis focos do mosquito Aedes aegypti através do telefone 3524-3131 ou do aplicativo Goiânia Contra Aedes.

Conforme a edição 48 do Boletim Epidemiológico Arboviroses de 2023, Goiânia registrou 34 casos graves de dengue, representando uma redução de 70,18% em comparação ao mesmo período de 2022. Quanto aos óbitos, foram seis registrados na Capital em 2023, um número substancialmente menor do que os 59 do ano anterior, representando uma redução de 89,83%. Em nível nacional, foram confirmadas 1.053 mortes em 2023 e 999 em 2022.

O diretor de Vigilância em Zoonoses, Murilo Reis, ressalta a importância de evitar o acúmulo de água durante todo o ano, já que os ovos do mosquito podem sobreviver por até 12 meses. O mosquito, considerado o elo mais frágil, deve ser o principal alvo dos esforços de combate, visando impedir a reprodução desses insetos. A SMS fortaleceu as atividades dos ACEs municipais, que identificaram 25,9 mil focos do mosquito Aedes aegypti, realizaram mais de 3 mil notificações e aplicaram 4,8 mil autuações.

Quanto ao descarte irregular de entulho, a multa para infratores pode atingir até R$ 1 mil. A limpeza, quando realizada pela administração municipal, gera custos para os proprietários de lotes, variando de R$ 1,14 a R$ 4,07 por metro quadrado, dependendo do serviço. Aqueles flagrados descartando resíduos em locais proibidos são autuados pela fiscalização, com apreensão de veículos e materiais utilizados na prática do crime ambiental, com multas começando em R$ 5 mil. Conforme o Código de Posturas de Goiânia, o cercamento e a limpeza dos lotes são responsabilidades dos proprietários ou possuidores, podendo denúncias serem feitas pelo telefone 161.