Delegado responsável pelo caso apresenta detalhes das investigações

Allan dos Reis e Fernanda | Foto: Reprodução

O delegado Antônio André afirmou em coletiva realizada na manhã desta terça-feira, 3, que os primeiros laudos apontam que a morte da gerente de hipermercado Fernanda de Souza Silva, 33 anos, foi ocasionada pelos golpes de madeira na cabeça.

Segundo o delegado responsável, foi pedido outro laudo cadavérico para comprovação definitiva da causa mortis da vítima. Com a confirmação, ficam descartadas as hipóteses de estrangulamento e morte em decorrência do fogo.

O primeiro laudo indica que não há fuligem no pulmão da vítima, o que descarta que a morte da mulher tenha sido ocasionada pelo fogo. “Também descarta a possibilidade de estrangulamento, pois não foi verificada lesão na traqueia de Fernanda”, indica o delegado.

Para a conclusão das investigações, o delegado Antônio André aguarda ainda resultados de perícias realizadas pela Policia Técnico Científica. Só então, o inquérito será remetido ao poder Judiciário.

Relembre o caso

O corpo da gerente de hipermercado Fernanda Souza Silva, de 33 anos, foi encontrado em uma mata entre Caldas Novas e Piracanjuba, no dia 20 de fevereiro. Ela estava desaparecida desde o dia 12, quando foi vista em Bela Vista, chegando do trabalho. O ex-namorado dela, Allan Pereira dos Reis, de 22 anos, confessou o crime.

Foi Allan que levou a polícia até o local onde estava o corpo, parcialmente queimado e enterrado na mata. Na tarde de quarta-feira, a polícia já havia encontrado o carro de Fernanda, também em uma mata nos arredores de Bela Vista.

Allan foi preso no Tocantins, quando estava a caminho do Pará, e encaminhado ao no núcleo de custódia da Penitenciária Odenir Guimarães (POG), onde permaneceu até o dia 22 de fevereiro, quando foi encontrado morto em sua cela.

Em nota, A DGAP informou que o detento estava sozinho em uma das celas da unidade, para onde foi transferido trazido de Bela Vista. “Os procedimentos administrativos internos foram abertos para apuração da morte de custodiado que cumpria pena no Núcleo de Custódia”, diz a nota.