Friboi pode não ter direito a recurso contra expulsão do PMDB

Relator do processo interpreta que decisão da Comissão de Ética do diretório estadual já seria definitiva. Há quem discorde

Dori Mocó: "

Dori Mocó não acredita que Friboi tenha recurso

A decisão pela expulsão do empresário Júnior Friboi, julgada pela Comissão de Ética do diretório estadual do PMDB na manhã desta segunda-feira (22/6), pode não ter determinado definitivamente o futuro do empresário dentro do partido. O Código de Ética do PMDB admite um grau de recurso. Neste caso, como a decisão foi tomada no diretório municipal, o réu pode recorrer ao diretório nacional.

Dorival Mocó, o relator do processo na Comissão do PMDB Goiás, defende, porém, que Friboi não teria direito a recurso. É que o processo, antes de ir para o diretório estadual, foi recebido e aceito no diretório municipal — que não pode julgar a denúncia por estar sob intervenção –, o que, aos olhos do relator seria uma forma de julgamento.

“Eu defendo que a estadual já é a instância terminativa, porque começou no municipal, então estamos aqui julgando em segunda instância”, afirma.

Kowalsky Ribeiro, um dos membros da Comissão que votou pela permanência de Friboi no partido, sustenta que o processo deve seguir sim para o diretório nacional. “Por ser um processo eivado de vícios, sem nenhuma condição técnica de permanecer, duvido muito que o diretório nacional mantenha a expulsão”, defende.

O presidente da Comissão, Leon Deniz, também interpreta que o empresário tem direito a recurso. “O Júnior Friboi tem direito de recorrer dentro do prazo regimental de 15 dias e a partir desse momento vai ser encaminhado ao diretório nacional, enquanto isso ele continua filiado”, esclarece.

Mais discordâncias
kowalsky

Kowalsky diz que expulsão tem “mão” de Iris Rezende

O relatório apresentado por Dorival Mocó à Comissão apontava para a expulsão de Júnior Friboi. Segundo ele, a base para esse posicionamento foi uma carta escrita pelo empresário na qual ele declararia claro apoio ao candidato da oposição, Marconi Perillo (PSDB), nas eleições de 2014 ao governo de Goiás.

“Os fatos de domínio público independem de prova. Todos viram a imprensa dizendo sempre que o Júnior Friboi estava apoiando o Marconi e em momento nenhum nós vimos ele vir a público desmentir esse fato, pelo contrário, ele escreveu uma carta entre o primeiro e o segundo turno onde ele declara abertamente que para Goiás o melhor candidato é o Marconi”, disse.

Entretanto, Kowalsky afirma que o relatório de Dorival não conseguiu provar o apoio de Friboi a Marconi e que o PMDB prevê a liberdade de um filiado defender outro candidato que não do partido. Essa possibilidade seria negada apenas a dirigentes partidários. “Infelizmente é a mão de Íris Rezende mais uma vez atuando. Não de forma direta, não colocando o rosto”, critica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.