Francisco Júnior vê em Vanderlan chance do PSD se fortalecer em 2020

Lançado em 2019 pelo partido para disputar eleição majoritária na capital, deputado federal diz que há espaço para diálogo e busca do consenso

Deputado federal Francisco Júnior, mesmo com interesse de Vanderlan Cardoso, se coloca como pré-candidato definido “neste momento” | Foto: Fábio Costa/Jornal Opção

Pré-candidato a prefeito pelo PSD desde o final de 2019, o deputado federal Francisco Júnior disputou as eleições municipais de 2016. Até então, seguia como o nome natural para a corrida nas urnas em outubro. Com a confirmação de que o senador Vanderlan Cardoso deixará o PP e tem filiação no partido de Francisco Júnior confirmada para 3 de março, o cenário não está mais tão certo quanto parecia.

“O senador Vanderlan não está vindo para o PSD por vontade só dele para tomar um espaço. Está vindo a convite.” Para o deputado federal, a construção da pré-candidatura a prefeito no partido será dada pelo diálogo, em entendimento conjunto. “E um dos primeiros a convidá-lo fui eu”, reforça Francisco Júnior sobre a chegada do senador à legenda.

Antes da mudança de Vanderlan, Francisco Júnior e outros filiados afirmam que o nome natural para disputar a Prefeitura de Goiânia seria o do deputado federal. Pelo crescimento na reta final no primeiro turno em 2016, quando alcançou 63.712 votos na capital, e por ter saído da Assembleia Legislativa para a Câmara dos Deputados, Francisco tem condições de consolidar sua pré-candidatura no PSD.

O parlamentar recebeu 111.788 votos e foi o quarto mais bem votado para deputado federal em Goiás. Francisco Júnior é o único representante do PSD no Congresso, o que muda com a chegada do senador em março. Vanderlan manifestou publicamente o interesse em disputar novamente a prefeitura.

Em 2016, Vanderlan chegou ao segundo turno contra o prefeito Iris Rezende (MDB), que deve ser candidato a reeleição. “É um senador de qualidade, um político emergente, que vem de uma experiência positiva. E o PSD ofereceu a ele a oportunidade de uma construção, como plano A, de uma candidatura a governador em 2022”, descreve Francisco Júnior.

Confirmação

Senador Vanderlan Cardoso chega ao PSD no dia 3 de março e pode ser candidato a governador em 2022 se conseguir construir espaço na sigla | Foto: Jane de Araújo/Agência Senado

A afirmação é confirmada pelo presidente estadual do PSD, o ex-deputado federal Vilmar Rocha. “Estamos conversando com o Vanderlan há muito tempo. Disse ao senador que nós não temos compromisso majoritário para 2022 e que Vanderlan terá espaço para construir a candidatura a governador.” Vilmar alega que, com a chegada do senador ao partido, há um reforço da pré-candidatura de Francisco Júnior.

“Vanderlan também é um pré-candidato forte a prefeito de Goiânia”, ressalta o presidente do partido. De acordo com Vilmar, não há problema algum que o senador se coloque na disputa majoritária na capital. “É positivo para o PSD ter dois pré-candidatos. Prova que o partido está forte.”

Só que o líder estadual pessedista alerta que, depois do dia 3 de abril, a sigla precisa agilizar a definição de quem será o candidato em Goiânia. “Não podemos esperar a convenção chegar sem ter nada decidido”, declara Vilmar. Segundo o presidente, independente da escolha por Francisco Júnior ou Vanderlan, o PSD precisa conduzir o processo de pré-candidatura com condições de chegar forte e unido no pleito.

Francisco Júnior afirma que Vanderlan é um ator muito importante no processo eleitoral. “O senador é naturalmente o mais lembrado hoje nas pesquisas”, destaca o deputado. Mas destaca: “Neste instante, o candidato do PSD sou eu”. Outros políticos do partido que conversaram com o Jornal Opção dizem que a escolha já foi feita e a pré-candidatura ficará mesmo com Francisco Júnior.

Quando Vilmar Rocha declara que o espaço está aberto para que, após a filiação, Vanderlan construa sua candidatura ao Estado de Goiás até 2022, a possibilidade de os planos eleitorais do senador estarem ligados ao apoio ao nome do deputado federal em Goiânia se fortalece. Ninguém confirma nada. Preferem deixar o jogo publicamente aberto.

“[O pré-candidato em Goiânia] Pode ser trocado? Pode. Na medida em que possamos amadurecer para isso”, explica Francisco Júnior. O deputado destaca a força de diálogo e convencimento que teve no partido em 2016, quando disputou internamente com outros três pré-candidatos para colocar o nome na urna. E repete o que disse em 2015 aos filiados do PSD: “Se eu não der conta de convencer nem o meu partido que sou o melhor candidato no momento, não vou convencer 1 milhão de eleitores”.

Mas…

Presidente do PSD, Vilmar Rocha vê como fortalecimento da sigla interesse de Vanderlan e Francisco Júnior na eleição de Goiânia | Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

Há quem acredite no PSD que se o senador Vanderlan Cardoso disser “eu serei candidato a prefeito” restará ao deputado federal aceitar e trabalhar pelo fortalecimento do nome do recém-chegado até outubro. Francisco Júnior voltou a afirmar que a chance é zero de deixar o partido se não for ele o pré-candidato na capital.

Para o deputado, a vontade de ser candidato a prefeito não muda “em absolutamente nada” com a confirmação ou não da tentativa de reeleição de Iris Rezende. “Em momento algum considerei meu adversário para ser candidato a alguma coisa. Minha disposição a ser candidato em Goiânia é de dar a minha contribuição para a cidade melhorar.”

Francisco Júnior continua: “Quem quiser me apoiar para combater os problemas da cidade é bem-vindo. Inclusive o Iris”. O deputado diz reconhecer que o prefeito emedebista, se entrar na disputa, chega como o candidato mais experiente, “com mais de 60 anos de vida pública” e o nome mais conhecido pela população.

“As pessoas conhecem o prefeito, sabem o que ele é capaz e o que Iris não é capaz. Os outros adversários podem ser uma grande surpresa. O grau de desconhecimento de todos os outros é muito grande”, observa Francisco Júnior. E destaca que “só na campanha” poderá ser feito um debate de ideias e do conhecimento da capacidade de realizar as propostas. “Com Iris candidato, pode ser uma eleição que traga muitas surpresas”, reforça o deputado.

Com discurso de candidato, a fala de Francisco Júnior se encaixa nas observações feitas pelo presidente do partido sobre a chegada de Vanderlan ao PSD. “Não dá para garantir que o senador será candidato a governador. Está muito cedo. Mas Vanderlan terá espaço para construir a candidatura até 2022. Lá na frente, vamos reunir e definir”, pontua Vilmar. O Jornal Opção tentou entrevistar o senador, mas não conseguiu entrar em contato até o fechamento desta edição.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.