Foragido, chefe da quadrilha que sequestrou Paulinho já teria cometido crime outras vezes

Polícia não confirmou informação repassada à imprensa pelo pai do suspeito 

Parte da quadrilha foi apresentada nesta terça-feira pela polícia | Foto: Marcelo Gouveia

Parte da quadrilha responsável pelo sequestro do jovem de 22 anos | Foto: Marcelo Gouveia

A Polícia Civil apresentou na tarde desta terça-feira (28/5) parte da quadrilha responsável pelo sequestro do jovem Paulo Antônio Batista, de 22 anos, conhecido como Paulinho. Conforme informações da corporação, Fábio Ferreira da Silva, apontado como chefe do grupo criminoso, ainda está foragido. O líder já teria participado de outro sequestro, mas a informação não foi confirmada pela polícia.

À imprensa, o delegado responsável pelo caso, Thiago Damasceno, não concedeu detalhes sobre a investigação que resultou na prisão de sete suspeitos. Em entrevista, no entanto, um dos supostos integrantes da quadrilha, pai de Fábio Ferreira da Silva, afirmou que o filho já teria cometido o crime outras vezes.

Sandoval Rodrigues da Silva afirmou também que conhecia a família da vítima. Na versão do suspeito, ele soube a respeito do sequestro por um primo de Paulinho e, até então, não sabia do envolvimento do filho.

Segundo o delegado Thiago Damasceno, os criminosos realmente tinham conhecimento sobre a rotina da família da vítima. “Nós ainda estamos investigando essa ligação para chegar até essa pessoa que intermediou. Temos suspeitas, mas nada confirmado”, explicou.

Os demais integrantes da quadrilha são Wilson José da Souza, Valdivino Eterno Guimarães, Conceição Aparecida Ferreira, Joseli da Silva Santos e Keven Kácio Sousa França. Este último também está foragido. Um menor não identificado pela polícia também teria envolvimento no sequestro.

O caso

Paulo Antônio Batista ficou em poder dos sequestradores por 32 dias. A vítima estava acorrentada a um bloco de concreto em um pequeno banheiro em uma fazenda de Goianira. Paulinho foi sequestrado por um grupo de quatro pessoas na Fazenda Jaboticabal, na cidade de Nova Fátima, no último dia 26 de março.

A Polícia Civil descobriu o local onde Paulo Antônio estava sendo mantido na segunda-feira (27). O jovem estava sozinho e a família dele, proprietária da fazenda, teria pagado R$ 216 mil pela liberação dele. O delegador responsável pelo caso não confirmou o valor.

Encontro com governador

Reprodução: Facebook

Reprodução: Facebook

O governador Marconi Perillo (PSDB) recebeu, nesta terça-feira (28), no Palácio Pedro Ludovico Teixiera, os pais de Paulo Antônio Batista. Na ocasião, o tucano agradeceu a ação da Polícia Civil e disse que o trabalho teve como foco a preservação da integridade física do jovem.

Em entrevista coletiva, o pai da vítima, Paulo Antônio Silva, também agradeceu a ação da polícia goiana. “Agradeço a Deus, às pessoas que rezaram, que oraram. Agradeço ao governo do Estado na pessoa do governador. O Grupo Anti-Sequestro foi exemplar. Vocês são como minha família. Agradeço à imprensa pela compreensão em não divulgar as informações”, desabafou.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.