Fora com os “antiministros”: é urgente que Ricardo Salles também saia

Menos por interesse direto na pasta e mais por pressão de setores como o agronegócio, o Centrão deve fazer do Meio Ambiente o novo alvo de pressão entre os ministérios

Se teve uma coisa em que o governo de Jair Bolsonaro “ensinou” ao Brasil como nenhum outro foi a “arte” de colocar a pessoa mais errada para cada lugar. Assim, para a Educação, foram convocados Vélez Rodríguez e depois Abraham Weintraub; para os Direitos Humanos, Damares Silva; para as Relações Exteriores, Ernesto Araújo; e para o Meio Ambiente, Ricardo Salles.

Todos antiministros da própria pasta, à semelhança do próprio chefe, o primeiro antipresidente da história do Brasil.

Não precisaria muita explicação, mas o prefixo “anti” tem origem no grego e significa “do lado contrário”. Assim tivemos, colocados em suas pastas, Vélez e Weintraub trabalhando contra a educação e Ernesto destruindo as relações exteriores do Brasil. Todos demitidos, alguns muito a contragosto do titular da principal cadeira do Planalto.

Damares e Sales continuam afundando os interesses das pastas que ocupam. E o segundo causa ainda mais preocupação.

O “antiministro”Ricardo Salles na reunião ministerial vazada de abril de 2020: o estouro da “boiada” deve atingir o Meio Ambiente / Divulgação

Depois de ocupar a Secretaria de Meio Ambiente de São Paulo no governo Geraldo Alckmin por dois anos – o que lhe rendeu uma condenação por ter alterado uma minuta do decreto do plano de manejo de uma área de proteção ambiental –, Salles foi alçado a ministro do Meio Ambiente na gestão Bolsonaro.

O que viria a seguir na área ambiental, em 27 meses de governo, um descaso total com a fiscalização, a defesa escancarada da atividade de garimpeiros e madeireiros em terras indígenas e outras inapropriadas e o sucateamento das estruturas já combalidas do Ibama e ICMBio.

A olhos vistos, o avanço do desmatamento e das queimadas em todo o País, a ponto de um incêndio destruir, no ano passado, cerca de um terço do Pantanal. Sem política de manejo ou de fiscalização, o País foi execrado internacionalmente por sua conduta irresponsável em relação às medidas contra o aquecimento global.

O que fez Jair Bolsonaro? Demitiu o ministro? Não, pelo contrário: protegeu seu pupilo e atacou ONGs e líderes de outros países, como o francês Emmanuel Macron e o ainda candidato Joe Biden.

Bolsonaro e Salles não fazem a mínima questão de entender que a negligência e o “passar da boiada” (expressão usada pelo antiministro na fatídica reunião de abril de 2020, para propor a aprovação de normas e leis polêmicas aproveitando o olhar da imprensa e da população voltado à pandemia) são extremamente prejudiciais à própria economia brasileira.

Notadamente, quem mais está perdendo diretamente com o discurso reacionário e contrário às medidas ambientais de alcance mundial, como o Acordo de Paris, é o agronegócio brasileiro. Cada vez mais incomodado, os líderes da bancada ruralista sabem que dependem de certificados ambientais para venderem lá fora e que alguém como Ricardo Salles pode atrapalhar ainda mais do que já fez.

Por isso, menos por interesse direto na pasta e mais para atender gente poderosa que quer lucrar, mas precisa de que, pelo menos na aparência, o Brasil cuide do seu patrimônio verde, o Centrão deve fazer do cargo do antiministro o novo ponto de pressão sobre o presidente.

Ninguém se engane: todos esses ministros fizeram ou fazem a “obra” como extensão do braço de Jair Bolsonaro. Quem tiver olhos para ler, que leia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.