FICA 2014: prêmio mais aguardado vai para produção alemã

O longa brasileiro, O menino e o Mundo, foi o destaque na Mostra Competitiva Oficial do Festival. O filme venceu três categorias

O filme que recebeu o Grande Prêmio Cora Coralina para Melhor Obra, Metamorphosen, revela os arredores da instalação nuclear Mayak, que sofreu diversos acidentes pouco.

O filme que recebeu o Grande Prêmio Cora Coralina para Melhor Obra, Metamorphosen, revela os arredores da instalação nuclear Mayak, que sofreu diversos acidentes | Foto: Divulgação

O Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (FICA) anunciou os grandes vencedores da 16ª edição em cerimônia realizada neste domingo (1/6), na Cidade de Goiás. O filme alemão Metamorphosen (Metamorfose), de Sebastian Mez, recebeu o Grande Prêmio Cora Coralina para Melhor Obra – independente do formato. O filme de Mez foi eleito pelo júri oficial como melhor filme do festival.

Metamorphosen recebeu um prêmio de R$ 50 mil. O longa-metragem é ambientado no meio do nada, na região sul dos Urais, na Rússia. Retrata, portanto, a história de um dos lugares de maior contaminação radioativa no planeta.

Entre longas-metragens, o brasileiro O Menino e o Mundo, de Alê Abreu, empatou com o italiano Matéria Obscura, de Massimo D’Anolfi e Martina Parenti. Os longas dividiram as láureas e o bônus de R$ 35 mil. O Menino e o Mundo ainda foi escolhido como o melhor filme pela imprensa e pelo júri popular. A animação conta a história de um menino que sofrendo com a falta do pai, deixa sua aldeia e descobre um mundo fantástico dominado por máquinas-bichos e estranhos seres.

A assistente de direção e coordenação artística do O menino e o Mundo, Priscilla Kellen, declarou que foi surpreendente receber tantos prêmios, pois o festival exibiu outros filmes incríveis. A historia do protagonista é muito universal. Ela faz refletir sobre a música, a liberdade e outras questões infantis.Talvez esse tenha sido um fator diferencial”, assegurou Priscilla Kellen.

Entre os curtas, o prêmio foi para o alemão Wind. Na categoria de melhor média-metragem, o filme dinamarquês The Carbon Crooks, de Tom Heinemann foi o vitorioso.

O FICA também premia, segundo regulamento, dois filmes goianos. Viagem na Chuva, de Wesley Rodrigues, e Ainda que se movam os trens, de Marcela Borela, Henrique Rocha e Vinícius Berger levaram o prêmio nesta categoria.

Segundo a Secretaria de Estado da Cultura de Goiás (Secult), 31 filmes participaram da Mostra Competitiva. A edição de 2014 distribuiu cerca de R$ 240 mil entre os premiados, sendo a maior premiação em dinheiro oferecido por um festival de cinema da América Latina.

Lista completa dos vencedores

Grande Prêmio Cora Coralina para melhor obra: 

Metamorphosen, de Sebastian Mez.

País: Alemanha

Menção Honrosa:

Ekspeditionen til Verdens Ende (Expedição ao Fim do Mundo), de Daniel Dencik

País: Dinamarca

Erntefaktor Null (Central Nuclear), deHelena Hufnagel

País: Alemanha

Melhor Longa-metragem:

O Menino e o Mundo, de Alê Abreu.

País: Brasil

Matéria Obscura, de Massimo D’Anolfi e Martina Parenti

País: Itália

Melhor Media-metragem:

Carbon Crooks, de Tom Heinemann

País: Dinamarca

Melhor curta-metragem:

Wind, de Robert Löbel

País Alemanha

Júri Popular:

O Menino e o Mundo, de Alê Abreu

Melhor Filme Pela Imprensa:

O Menino e o Mundo, de Alê Abreu

Melhor Produção Goiana:

Viagem na Chuva, de Wesley Rodruigues

Ainda que se Movam os Trens, de Marcela Borela, Henrique Borela e Vinicius Berger

 

 

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

márcio costa rodrigues

Ficou um pouco de decepção. Conheço pessoas bem mais conhecedoras do meio-ambiente que Cristiane Torloni. Infelizmente, nossa pequenez cultural de colonizados pelo sul-sudeste maravilha – por consequência sub-colônia do 1. mundo – nos permite enxergar apenas o que venha além da ponte do Rio Paranaíba. Ah Amazônia não está sendo conquistada pelos “gringos”, ela foi esquecida pelos brasileiros que só têm olhos para o litoral ou para o além Paranaíba. É apenas um lugar que ninguém quis. Como diz o ditado: largado não é roubado.