Montante foi aprovado por unanimidade nesta segunda-feira pelos representantes do Conselho Deliberativo da Sudeco

Foto: Reprodução/ Portal RCIA

O Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) vai distribuir até R$ 7,7 bilhões para empreendedores rurais e urbanos da região em 2021. O montante foi aprovado nesta segunda-feira (7) pelos representantes do Conselho Deliberativo (Condel) da Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco), durante a 14ª Reunião Ordinária do colegiado.

O encontro, realizado de forma remota, foi presidido pelo ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho. Também participaram os governadores de Goiás, Ronaldo Caiado; de Mato Grosso, Mauro Mendes; e de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja. O Distrito Federal foi representado pelo vice-governador, Paco Britto.

“O FCO é um instrumento fundamental para fomentar o desenvolvimento das mais diversas atividades econômicas no Centro-Oeste. Esses recursos propiciam oportunidade para que os empreendedores possam expandir seus negócios e gerar mais oportunidades de emprego e renda. É um recurso que vai para o empreendedor e que retorna para a sociedade”, destacou Rogério Marinho.

Os R$ 7,7 bilhões previstos para o ano que vem representam um aumento de cerca de R$ 600 milhões em comparação com o valor disponibilizado em 2020, de R$ 7,1 bilhões. A previsão de aplicação dos recursos aprovada nesta segunda-feira seguirá a seguinte proporção: 10% para o Distrito Federal, 33% para Mato Grosso, 33% para Goiás e 24% para Mato Grosso do Sul. Essa programação pode ser revista a qualquer momento pelo Condel, à medida em que cada estado se aproxime da previsão estabelecida.

Os recursos do FCO são administrados pelo Ministério do Desenvolvimento Regional e pela Sudeco e concedidos por meio do Banco do Brasil, aquecendo a economia, gerando emprego e renda na região. Possibilitam o financiamento de projetos para abertura do próprio negócio, investimentos para expansão das atividades, aquisição de estoque e até para custeio de gastos gerais relacionados à administração, como aluguel, folha de pagamento e despesas com água, energia e telefone.

Embora as operações de crédito sejam voltadas, prioritariamente, a atividades de pequeno e médio porte, também são asseguradas condições atrativas de financiamento a grandes investidores.

Equalização

Também nesta segunda-feira foi aprovada a alteração do valor mínimo para captação de recursos por meio do Fundo de Desenvolvimento do Centro-Oeste (FDCO). Agora, os clientes – grupos empresariais ou agropecuários – poderão tomar até R$ 20 milhões por operação. O valor foi reduzido, antes os R$ 30 milhões anteriores, para se adequar aos valores praticados por meio do FCO.

O FDCO disponibiliza financiamento para projetos em infraestrutura, serviços públicos e empreendimentos produtivos de grande capacidade germinativa de novos negócios na região. O Fundo constitui um importante mecanismo propulsor da PNDR no Centro-Oeste.