“Fantasma” da Assembleia repercute na imprensa internacional

Reportagem do “Washington Post” narra caso da ex-servidora goiana que virou meme nas redes sociais e, de quebra, faz uma análise sobre a corrupção no Brasil

Reprodução

Reprodução

Mais de 20 dias após a veiculação da reportagem que revelava a suposta existência de funcionários fantasmas na Assembleia Legislativa de Goiás, o jornal norte-americano “Washington Post” divulgou, na última sexta-feira (17/10), uma matéria sobre o caso, com destaque à senhora Edinair dos Santos Moraes. A ex-funcionária da Casa ganhou a web após fugir correndo de uma repórter da TV Anhanguera, filiada da TV Globo em Goiás.

A matéria conta detalhes da denúncia feita pela emissora, mas tem como foco a perseguição da jornalista à funcionária, além da repercussão do episódio em território brasileiro e nas redes sociais. A reportagem traz, inclusive, o diálogo transcrito entre Edinair e a repórter goiana.

“A repórter perseguiu Moraes rua abaixo, mas ela escapou. E enquanto os âncoras no estúdio franziram a testa em desaprovação, os brasileiros uivavam de tanto rir. A cena rapidamente se tornou um fenômeno da internet”, conta a reportagem.

O correspondente Dom Phillips, que assina a matéria, também destaca a criação do jogo de celular “Senhora Volta Aqui”, inspirado na fatídica perseguição e que já acumula mais de 600 mil downloads.

Por fim, o periódico ainda faz uma análise sobre a corrupção no Brasil. Ao citar o escândalo na Petrobrás, o jornalista avalia que o episódio em Goiás faz parte de um processo que obriga os brasileiros a se perguntarem sobre suas atitudes em relação à corrupção.

“Contornar as regras, no chamado “jeitinho brasileiro”, é considerado aceitável porque seguir os complexos e Kafkianos procedimentos burocráticos do País pode ser impossível”, analisa a publicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.