Famílias precisarão ter renda ainda menor para se enquadrar na Faixa 1 do Minha Casa Minha Vida

Atualmente, famílias que recebem até R$ 1.800 podem ter até 90% do imóvel subsidiado pelo programa. Valor pode cair para R$ 1.200

O Governo Federal pretende alterar a renda máxima para famílias que podem ter até 90% do imóvel subsidiado pelo Minha Casa Minha Vida, reduzindo a faixa 1 do programa de R$ 1.800 para R$ 1.200 ou R$ 1.400. A informação foi dada pelo ministro de Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, à Folha de São Paulo.

Nesta faixa do programa, além de não haver cobrança de juros, o mutuário paga no máximo de 10% do custo da residência. Então, conforme Canuto, a ideia é que as famílias beneficiadas sejam aquelas que não têm acesso a financiamento imobiliário. Os anúncios podem ser feitos em dezembro.

Apesar disso, ele adiantou, também, que o governo deve manter, em 2020, a utilização de recursos do FGTS para pagamentos da subvenção do Minha Casa Minha Vida nas faixas de 1,5 a 3. Essa semana isso já aconteceu para que fosse possível destravar o crédito que dependida de verba do Orçamento da União.

“Financiamentos de R$ 150 mil não estavam acontecendo pelo aporte de R$ 2.000 a R$ 3.000. O que a gente fez foi uma política de destravamento. A probabilidade é que se mantenha”, exclamou o ministro.

(Com informações da Folha de S.Paulo)

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.