Grupo bivarista alega que filho mais novo do presidente Jair Bolsonaro age contra o partido

Foto: Paola de Orte/Agência Brasil

A Executiva Nacional do PSL registrou em cartório um pedido de expulsão do atual líder da bancada do partido na Câmara, Eduardo Bolsonaro (SP). Eles querem ainda a destituição de Eduardo do cargo de presidente do diretório estadual de São Paulo.

Outro pedido é que seja revogado o cancelamento de 200 diretórios municipais do PSL em São Paulo. A alegação é que Eduardo suspendeu esses diretórios de forma ilegal e que age colocando interesses pessoais acima do partidário.

O documento inicial assinado pelo senador Major Olimpio e pelos deputados Abou Anni, Coronel Tadeu, Joice Hasselmann e Júnior Bozzella pedia apenas destituição e a reativação dos diretórios, mas o pedido de expulsão foi feito em um complemento.

O grupo bivarista anexou ao documento uma postagem feito por Eduardo no dia 4 de outubro em sua conta no Twitter. “Nos locais em SP onde houver judicialização do PSL municipal apoiaremos candidatos de outros partidos ou ninguém, simples. Não vamos apoiar alguém só porque é do PSL, nosso público não é assim. E seguiremos derrubando diretórios não alinhados”, diz o filho do presidente. Para os bivaristas, isso é um sinal de que o Eduardo age contra o partido.

Pelas redes sociais, Eduardo Bolsonaro fez o seguinte comentário: “A narrativa dos vagabundos é dizer que é Bolsonaro, mas quem atrapalha são os filhos. Nada do que digam reverte a surra moral que estão tomando nas redes. Eu sigo dormindo tranquilamente”.(Com informações do Estadão)