O governo Lula acertou com seus parceiros do grupo do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) a indicação da ex-presidente Dilma Rousseff para comandar o Novo Banco de Desenvolvimento (NBD), instituição do bloco. Atualmente, quem dirige o NBD é o diplomata Marcos Troyjo, indicado pelo ex-presidente Jair Bolsonaro.

Antes disso, Dilma chegou a ser avaliada uma indicação para uma embaixada, como a de Portugal. De acordo com o colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo, além de ter a concordância dos outros países membros, o governo petista acertou a saída de Marcos Troyjo da presidência da instituição já neste mês, uma vez que Lula quer Dilma como presidente do banco quando ele visitar a China, em março.

A ex-presidente vai morar em Xangai e comandará o banco até 2025. A instituição foi criada em 2014 e passou a operar a partir de 2016, com capital para financiar projetos de infraestrutura sustentáveis sob os pontos de vista econômico, social e ambiental.

Troyjo foi convidado por Tarcísio de Freitas para ocupar um cargo no governo de São Paulo.

*com informações do Jornal O Globo