Descoberta de negativa de paternidade foi feita após exame de DNA. Envolvidos não tinham vínculo afetivo

Justiça determinou exclusão de nome do registro após exame de DNA. | Foto: reprodução

A justiça determinou a retirada do nome de um ex-jogador de futebol do registro do suposto filho de 43 anos. A decisão veio após exame de DNA que comprovou a negativa de paternidade. Os envolvidos não guardavam vínculo afetivo, e foi feito um acordo.

A advogada do ex-jogador, Andreia Bacellar, revelou que a suspeita existia há anos. O casal teria se separado apenas dois meses depois do nascimento da criança. Desde então, o homem não teve mais contato com a mulher e o filho.

Segundo a advogada, a mãe da criança se casou e o novo marido assumiu a responsabilidade de pai. O ex-jogador, no entanto, aguardou o momento oportuno para ajuizar a ação. “Importante salientar que a prova material, além de inconteste, só veio a concretizar o que já era um fato para ambos: a completa ausência da relação afetiva entre eles”, disse a Andreia Bacellar.