Eternit deixa de usar amianto na produção de telhas

Empresa conclui processo de substituição do amianto por fibra sintética em sua produção industrial

Foto: Divulgação

A Eternit, empresa de destaque no mercado brasileiro de coberturas, deixou de utilizar a fibra mineral crisotila (amianto) como matéria-prima na produção de telhas de fibrocimento. A substituição pela fibra sintética foi feita gradualmente ao longo dos últimos anos e concluída ao fim de 2018, conforme a empresa havia anunciado no ano de 2017. Além das coberturas, a empresa atua também nos segmentos de louças e metais sanitários, caixas d’água e painéis cimentícios.

A utilização do amianto foi interrompida em todas as cinco fábricas que produzem telhas, entre outros produtos, localizadas no Rio de Janeiro (RJ), em Colombo (PR), Simões Filho (BA), Goiânia e Anápolis (GO). A companhia ressalta que o uso e a comercialização da substância continuam sendo permitidos, por força de liminar do Superior Tribunal Federal (STF), até que uma decisão final seja tomada pela Corte. Porém, mesmo em conformidade com a legislação vigente, a fabricante decidiu dar prosseguimento às mudanças com base em um plano estratégico da empresa.

O presidente da Eternit, Luis Augusto Barcelos Barbosa, explica que a decisão acompanhou uma tendência de mercado. “Como havíamos antecipado, ao longo dos últimos meses, reforçamos os investimentos necessários para a troca de máquinas e equipamentos e adaptamos o processo tecnológico e industrial para o uso da fibra sintética de polipropileno. Nossa decisão foi baseada no fato de que o mercado brasileiro vem deixando, há alguns anos, de consumir produtos que contêm amianto. Independentemente de questões jurídicas, essa redução da demanda nos levou a buscar alternativas”, explica o executivo.

O presidente acrescenta ainda que a fábrica localizada em Manaus, produtora de polipropileno, chega a 80% da sua capacidade e abastece todas as unidades do grupo que utilizam a fibra sintética. O polipropileno também é usado na fabricação de painéis, módulos estruturais, pisos cimentícios, entre outros produtos.

SAMA

A Eternit informa ainda que decidiu interromper a comercialização de fibras de amianto no mercado nacional por parte da sua controlada SAMA. A mineradora, única do país a fazer a extração da fibra mineral crisotila — representando a principal fonte econômica da cidade de Minaçu (GO) — continuará suas operações, direcionando sua produção exclusivamente para o mercado externo. A exportação atende clientes em diversos países onde o produto é permitido para aplicações industriais, tais como Estados Unidos, Alemanha, Índia, Indonésia, Malásia e outros países asiáticos.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

MARCO

Em pleno 2019 ainda usavam amianto? sou de Goiania e muitas pessoas morrem de cancer em Minaçu, nao somente trabalhadores (esposas que lavam os uniformes e etc) achava que só na russia ainda tinham essa mentalidade… esse mineral nao sai do corpo.