Estudo divulgado pela Revista The Lancet, umas das mais renomadas publicações científicas do mundo, destaca Goiás no tratamento da Covid-19

Trabalho foi realizado em parceria com instituições de diferentes países e contou com a participação da Universidade Federal de Goiás (UFG) e do Hospital de Campanha para Enfrentamento do Coronavírus (HCamp) de Goiânia, unidade de saúde do Governo de Goiás

Um estudo divulgado pela revista The Lancet, uma das mais prestigiadas publicações científicas do mundo, nesta quarta-feira, 21, destaca Goiás no tratamento da Covid-19. O trabalho foi realizado em parceria com instituições de diferentes países e contou com a participação da Universidade Federal de Goiás (UFG) e do Hospital de Campanha para Enfrentamento do Coronavírus (HCamp) de Goiânia, unidade de saúde do Governo de Goiás.

No Brasil, o trabalho foi coordenado pelo Hospital Albert Einsten e teve a participação de vários centros de pesquisa. O estudo avaliou pessoas hospitalizadas com a Covid-19 e que apresentavam, pelo menos, um fator de risco. Os pesquisadores avaliaram a utilização de um medicamento nos pacientes, com o objetivo de preservar a função renal.

O HCamp de Goiânia, hospital referência para assistência de casos de Covid-19, foi classificado como a segunda unidade com maior participação de pacientes, contribuindo com a inclusão de dados para avaliação dos cientistas. Ao todo, 10% dos casos analisados no Brasil foram de pessoas internadas no hospital.

“É desse jeito que a gente governa, sempre com a ciência ao nosso lado em busca do melhor para as pessoas”, ressaltou o governador Ronaldo Caiado. Ele deixou um agradecimento especial à equipe da Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES-GO), do HCamp Goiânia e da Liga de Hipertensão Arterial da UFG.

Publicação
Em Goiás, o estudo foi conduzido pelo professor da Faculdade de Medicina da UFG e coordenador da Liga de Hipertensão Arterial, Weimar Kunz Sebba Barroso. O trabalho avaliou pacientes hospitalizados com a Covid-19 e que apresentavam, pelo menos, um fator de risco cardiometabólico, ou seja, hipertensão, diabetes tipo 2, doença cardiovascular aterosclerótica, insuficiência cardíaca e doença renal crônica.

A pesquisa considerou aqueles pacientes internados com a infecção pelo coronavírus e que exigiam uso de oxigênio, mas sem a necessidade de ventilação mecânica. Foi avaliado o uso da Dapagliflozina, um medicamento usado para o tratamento de diabetes. “Como a Covid-19 é uma doença que aumenta a atividade inflamatória, gerando um dano importante aos rins, há uma hipótese bastante plausível de que um fármaco como esse, que diminui a inflamação e protege o funcionamento renal, reduz as complicações nos pacientes internados”, explicou o professor Weimar Barroso.

O estudo foi devidamente aprovado nos órgãos regulatórios americanos, latino-americanos e brasileiros. No Brasil, o trabalho foi coordenado pelo grupo do Hospital Albert Einsten e contou com a participação de vários centros de pesquisa. “O país teve um papel fundamental, pois de um total de 1.200 pacientes que foram incluídos na análise, cerca de 700 foram brasileiros, mostrando a nossa participação expressiva”, detalhou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.