Operação R$ 2,80: Estudantes da UFG são presos suspeitos de queimarem ônibus

Três jovens foram presos pela  Polícia Civil  suspeitos de associação criminosa e incitação à violência

Untitled-1

Porta da Draco, no Setor Campinas, esteve movimentada durante esta manhã por conta das prisões | Foto: Thiago Araújo/Jornal Opção

A Polícia Civil (PC) deflagrou na manhã desta sexta-feira (23/5) a operação R$ 2,80, comandada pelo delegado Alexandre Lourenço, da Delegacia Estadual de Repressão a Ações Criminosas Organizadas (Draco). A ação visou prender líderes do Movimento Estudantil Popular Revolucionário, suspeitos de pregar a desordem e incitar a população a destruir ônibus do transporte público de Goiânia e região metropolitana.

A operação contou com a participação de 25 policiais. Ao todo foi efetuada a prisão de três estudantes entre 18 e 20 anos e a execução de cinco mandados de busca e apreensão. O delegado Tiago Torres disse que foi apreendido um vasto material suspeito, dentre eles bandeiras, cartazes, gases e produtos para a fabricação de coquetel molotov, arma química incendiária, geralmente utilizada em protestos e guerrilhas urbanas. No Brasil, a fabricação e o uso desse artefato configura porte ilegal de arma e a punição varia de três a seis anos de prisão, além de multa. Os agentes investigaram os suspeitos por meio de páginas das redes sociais e pela circulação de panfletos que divulgavam as manifestações.

O último ato na capital ocorreu na segunda feira (21/5). Além desse, outros protestos aconteceram nas últimas semanas contra o aumento da passagem, que desde 3 de maio passou de R$ 2,70 para R$ 2,80, um aumento de 3,07 %. Os manifestantes reivindicam também melhorias no serviço. O protesto mais violento foi no último dia 16, quando o Terminal da Bandeiras, na região Sudoeste, foi alvo de vandalismo. A Rede Metropolitana de Transportes Coletivos (RMTC) contabilizou a partir deste dia 104 ônibus danificados.

Para a polícia, o grupo teve participação na manifestação que ocorreu dentro do Campus Samambaia da Universidade Federal de Goiás (UFG) em 15 de abril, quando três ônibus foram apedrejados e um queimado. Outra ação atribuída aos estudantes foi a manifestação que aconteceu no Terminal Praça da Bíblica, entre os setores Leste Universitário e Vila Nova, em 8 de maio, quando houve a depredação de mais 15 veículos e o incêndio de um ônibus do Eixo Anhanguera.

A movimentação na Draco, que fica no Setor Campinas, foi intensa até o começo da tarde. A Polícia Militar (PM) e agentes municipais de trânsito ajudavam na segurança do local. Representantes da comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil em Goiás (OAB-GO) estiveram na delegacia para garantir o processo legal e os direitos individuais dos jovens alvo de mandados de prisão nesta manhã. Para os representantes da OAB-GO, “a princípio, a prisão é desproporcional, pois houve um crime de dano e os estudantes estavam com a prisão preventiva decretada, mas neste caso os suspeitos têm residência fixa e ocupação lícita”.

A polícia não quis divulgar o nome dos estudantes. No entanto, o Jornal Opção Online apurou que os jovens são Heitor Vilela, Ian Caetano e João Marcos. Os pais de Heitor estavam na delegacia. Para o pai, que não quis se identificar, a situação é constrangedora. “Eles chegaram ao meu prédio por volta das seis horas da manhã, acordando toda vizinhança e usando força desproporcional durante a prisão.” A mãe estava apreensiva. Ela disse que hoje é o aniversario de seu filho e que deseja que ele não fique preso. A prisão preventiva tem duração de dez dias e pode ser prorrogada.

O delegado tem dez dias para concluir o inquérito policial. Segundo o delegado responsável pelo caso, Alexandre Lourenço, eles devem ser indiciados por dano ao patrimônio público, associação criminosa e incitação à violência.

 

2 Comment threads
2 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
3 Comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Davi Alberto

Um absurdo a criminalização dos movimentos sociais em pleno estado democrático. Esses estudantes são presos políticos!

Cindy Karol

Lamentável ler isso e saber que tem gente que acha que a ditadura já acabou. Jovens… Estudantes em busca de melhorias para toda a população, fazendo por nós o que não podemos fazer por cargas horarias… e são criminalizados desta forma. Pra quem acha que os atos são de vandalismo é porque são burgueses que não veem o vandalismo nas escolas hospitais etc etc só cegos e hipócritas não veem a situação do nosso pais e ainda acham muito os atos de nossos jovens. O que parece que nunca vai acontecer é uma melhoria no nosso pais onde o rico… Leia mais

Maria

Olha a luta de voces jovens e uma coisa muito saudavel, porem deveriam ser usado a inteligencia e não a força, o pessoal que derrubou a ditatura são os mesmos que perseguem voces hoje, isso quer dizer que não adianta usar a força, tem que usar a inteligencia, e acredito que voces são muito inteligentes. Com paz a adesão ao movimento é maior, porque já ficou provado na ditadura que a força não resolve, porque quando o poder é tomado a força a violencia, os roubos as falcatruas continuam. Onde esta Jose Dirceu, Dilma, Lula, Jose Jenuino, etc. todos foram… Leia mais

Maria

Nao sou contra os movimentos passivos, porque quem esta no poder hoje sao os que participaram das lutas armadas na ditadura, estudantes promovam a paz use a inteligencia para mudar as leis. Voces são capazes atraves de uma eleição justa procure em cada um de voces do que voces são capazes, e se tornem juizes, promotores, governadores, presidente da republica e tantas outras profissões que podem fazer a diferença.