Estudante ferido por PM em protesto tem melhora e não corre risco de morrer

De acordo com boletim médico, jovem segue internado na UTI em estado grave, porém estável

O estudante de Ciências Sociais Mateus Ferreira da Silva, agredido por um policial militar durante manifestação na última sexta-feira (28/4), em Goiânia, teve melhora clínica. O estado de saúde dele é estável, porém ainda grave, mas não há risco de morte.

Segundo boletim médico disponibilizado pelo Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo), o jovem segue internado em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), intubado e sem programação para sessão de hemodiálise. O quadro é estável na parte respiratória e com pressão normal.

A sedação foi suspensa nesta terça-feira para avaliação neurológica e início do processo de retirada da ventilação mecânica.

Mateus foi agredido durante protesto contra as reformas do presidente Michel Temer (PMDB), no Centro de Goiânia. Imagens do momento da agressão mostram o policial acertando um cassetete no rosto do estudante.

A Polícia Militar (PM) de Goiás afastou das ruas o capitão Augusto Sampaio de Oliveira Neto, subcomandante da 37ª Companhia Independente, em Goiânia. Segundo o comandante-geral da Polícia Militar de Goiás, coronel Divino Alves de Oliveira, o capitão continua exercendo funções administrativas.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.