Estudante de medicina da UFG confessa compra de vaga por meio de máfia dos concursos

Aluno indicou outros colegas que também teriam participado do esquema. Investigação de possível fraude no Enem de 2016 será remetida para a Polícia Federal

Faculdade de Medicina da UFG | Divulgação

O delegado da Polícia Civil do Estado de Goiás Romulo Matos, da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra a Administração (Dercap), informou na manhã desta segunda-feira (30/10) que um estudante de medicina da Universidade Federal de Goiás (UFG) confessou em depoimento ter comprado a vaga via fraude no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2016.

Ele contou que ele e outros três colegas, todos atualmente matriculados no curso, pagaram cerca de R$ 250 mil para entrar no esquema. A investigação será remetida para a Polícia Federal. A fraude foi descoberta durante investigação de quadrilha que burlou o concurso para delegado da Polícia Civil do Estado de Goiás.

“Uma candidata ao concursos de delegada adquiriu uma espécie de ‘combo’ junto a organização. Ela comprou não apenas a vaga dela, mas também da filha para o curso de medicina da UFG”, contou o delegado. Segundo depoimento, ela teria pago uma casa no valor de R$ 850 mil pelas duas vagas.

Segundo relato, a quadrilha levou os quatro jovens para Brasília para fazer a prova de redação do Enem cerca de duas semanas após a realização oficial o exame

Nesta segunda-feira, sete pessoas foram presas em Goiânia e no Distrito Federal suspeitas de integrar a organização criminosa. A ação em conjunto com a Polícia Civil do Distrito Federal foi antecipada para evitar possíveis novas fraudes nas provas do Enem 2017, que acontecem no próximo fim de semana. “O que conseguimos apurar é que essa quadrilha tentava atuar em todos os concursos de maior relevância do País. Agora cabe às polícias de outros estados e Federal investigar casos específicos”, disse.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Iron Felisberto de Freitas

De novo notícias requentadas, tais patifes deste tipo de fraude atuam desde dos anos 80 e que acontece que não se extermina este tipo de bandidagem. É por que tem filho de gente graúda se beneficiando.