Estreia de Jean no Atlético Goianiense será marcada por protesto

Atleta foi emprestado ao clube goiano pelo São Paulo, após ser preso nos Estados Unidos acusado de agredir a mulher, Milena Bemfica

Foto: Reprodução

A estreia do goleiro Jean no Atlético Clube Goianiense neste domingo, 24, deve ser marcada por protestos. O atleta foi emprestado ao clube goiano pelo São Paulo, após ser preso nos Estados Unidos acusado de agredir a mulher, Milena Bemfica. O vínculo segue até o fim desta temporada, que marca a volta do Atlético à Série A do Campeonato Brasileiro.

Jean está suspenso pelo São Paulo e sua vinda para o futebol goiano uma chuva de críticas de torcedores nas redes sociais. Enquanto isso, a direção do clube promete respaldar o goleiro. “O Atlético Goianiense tem o perfil de recuperar atletas, e o ser humano precisa de oportunidades. Ele cometeu um erro, e nós contratamos um grande profissional e vamos dar respaldo”, afirmou o presidente do Atlético, Adson Batista.

Jean foi preso no fim de 2019 nos Estados Unidos e deixou a cadeia depois de um dia, sem precisar pagar fiança. No boletim de ocorrência, Milena Bemfica disse relatou ter sido agredida com oito socos. Ela divulgou vídeo em seu Instagram com o rosto inchado e com hematomas.

Para a partida deste final de semana, está sendo organizada uma manifestação no portão de entrada do Estádio Olímpico Pedro Ludovico, a partir das 13h. Segundo os organizadores, o Atlético Clube Goianiense, que se coloca como o “time da família”, está se contradizendo ao fazer a contratação “de um homem que se tornou exemplo da brutalidade contra a sua própria família”.

Confira a nota de repúdio à contratação de goleiro na íntegra:

Em defesa do amor contrapondo ao ódio, nós, mulheres goianas, nos colocamos como barreiras ao crescimento da violência contra as mulheres e do feminicídio! Somos mulheres de todas as idades, de todas as cores, de amor por diferentes times de futebol, que aqui nos unimos para repudiar, veementemente, o fortalecimento da cultura da violência contra a mulher no Brasil e em Goiás, estado que, segundo diferentes pesquisas realizadas no ano de 2019, encontra-se entre o segundo e terceiro lugar no ranking dos que mais violentam, espancam e matam mulher. Não podemos ficar caladas diante da contratação, por um time goiano, de um goleiro cujas imagens espancando sua mulher, na frente das filhas crianças, ganharam o mundo!

Goiás construiu uma bonita história de seu futebol e não queremos manchá-la com essa nódoa! Não somos depósito de refugo social! Futebol é arte e exemplo de trabalho com amor, inteligência e harmonia. Não violência!   Entendemos que um profissional da arte – no palco, tablado, tela ou no campo gramado –  tem grande poder de influência sócio-cultural, mais do que os outros trabalhadores comuns. Seu exemplo vai  além de sua própria família e, por isso, tem também aumentada a responsabilidade de promover a harmonia, a fraternidade, a saúde física e mental de todos e todas que o amam, que o admiram. Um ídolo jamais pode promover e ser exemplo da violência!

Organizadas enquanto feministas, ativistas de direitos humanos e/ou simples torcedoras de times de futebol, incluindo também torcedores do Atlético goiano, decidimos promover uma série de ações neste domingo (26/01/2020), no Estádio Olímpico de Goiânia, quando o goleiro Jean deve jogar pela primeira vez pelo Atlético Clube Goianiense, que o contratou após ser refugado pelo time paulista onde anteriormente jogava.  Neste domingo, quando pais, mães e filhos vêm a um estádio de futebol para assistir um jogo do seu time de coração, não queremos simplesmente dizer não à contratação de um profissional que pode valorizar tecnicamente à equipe. Dizemos não ao fortalecimento da cultura da violência contra a mulher!

De papel velho, usado e rasgado, vamos fazer flores para oferecer como símbolo da mulher machucada, violentada que é capaz de se reconstruir no amor! E, por meio desta Nota de Repúdio, pretendemos sensibilizar os torcedores e torcedoras de todos os times de futebol de Goiás a se fortalecerem na união fraternal e no cuidado de todos e de cada um e cada uma.  Nossa luta não é só pelo caso específico dessa violência do goleiro Jean contra a sua mulher e filhas. Entendemos que o Atlético Clube Goianiense, que se coloca como o “time da família”, está se contradizendo ao fazer a contratação de um homem que se tornou exemplo da brutalidade contra a sua própria família!

E assim, como uma forma de contribuir com o não crescimento da cultura da violência contra a mulher, vimos fazer o lançamento de uma  ideia de projeto de lei que obrigue a toda empresa que contratar pessoa acusada publicamente, condenada ou não pela Justiça por violência contra a mulher, ao pagamento de porcentagem de seus salários para financiar campanhas da não violência contra a mulher.

Goiânia, janeiro de 2020

Associação Mulheres na Comunicação

Bloco Não é Não

Coletiva Manas

Coletivo de Mulheres Goianas

Coletivo de Mulheres da Região Noroeste

Comitê Goiano de Direitos Humanos Dom Tomás Balduíno

Coordenação Negras e Negros de Goiás

Centro Popular da Mulher de Goiás – CPM/UBM-Goiás

Movimento de Mulheres Olga Benário

Policiais Antifacismo

Sindicato dos Jornalistas de Goiás

Sindicato dos Trabalhadores na Saúde – Sindsaúde

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.