Estrangeiros vivendo em Wuhan são evacuados com auxílio de governos

Diversos países tomam iniciativas para remover seus expatriados do epicentro do surto, que está com tráfego suspenso

Reprodução

Cidades da província de Hebei – entre elas Wuhan, epicentro do surto de coronavírus – estão com tráfego de veículos suspenso para impedir a propagação da doença respiratória. A partir de segunda-feira (27), governo chinês suspenderá todas as viagens turísticas que partam do país. Com o fechamento de acessos, governos ajudam no regresso de seus cidadãos.

Neste domingo (26) o terceiro caso de coronavírus foi confirmado nos Estados Unidos. O país ordena o retorno de cidadãos e diplomatas americanos da cidade de Wuhan. A embaixada estadunidense publicou que um voo partirá da cidade com destino a San Francisco, Califórnia, na terça-feira (28). O voo, com espaço para 230 passageiros, levará diplomatas e suas famílias de volta aos EUA. Embora cidadãos americanos também possam embarcar, vagas são limitadas. 

De forma similar, o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, se pronunciou neste domingo, afirmando que o país, em ação coordenada com o governo chinês, organizará um voo para retirar expatriados que vivem em Wuhan.

Aeronave também foi destinada para evacuar cidadãos da Jordânia, sob ordens do rei Abdullah II.  Segundo a rede de notícias CNN, a ação já foi autorizada pelas autoridades chinesas. 

A montadora automobilística Peugeot informou que funcionários franceses trabalhando em Wuhan serão evacuadas da região. Segundo porta-voz da empresa, são 38 funcionários da empresa francesa que contarão com a colaboração de autoridades chinesas e do consulado geral da França na região para retornar à Europa. Entretanto, estes deverão passar por período de quarentena em Changsha antes de voltar para o país.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.