“Estarrecidos”, secretários de saúde de todo Brasil repudiam pronunciamento de Bolsonaro

“É preciso que seja reparado o que nos parece ser um grave erro do presidente da República”, consideraram os técnicos no documento

Foto: Reprodução/Internet

O Conselho Nacional de Secretários da Saúde (Conass) divulgou uma carta para repudiar o posicionamento do presidente da República, Jair Bolsonaro, na noite da última terça-feira, 24, em rede nacional de televisão.

De acordo com o documento publicado pelo Conselho, os secretários de saúde assistiram “estarrecidos” o  pronunciamento que vai na contramão das recomendações do Conass e do Ministério da Saúde. “É preciso demonstrar ao Brasil as suas consequências e a necessidade de que a população perceba a gravidade do momento que estamos vivendo”, diz um trecho.

A carta assegura que as decisões e recomendações adotadas até o momento tem se baseado em evidências científicas e buscado inspiração nas melhores práticas e exemplos de condutas exitosas ao redor do mundo.

“É este o esforço que temos empreendido em defesa de nossa pátria e de nossos irmãos e irmãs brasileiros. É dessa forma, desassombrada e corajosa, na direção correta que queremos seguir na missão de defender nossa gente. Não podemos permitir o dissenso e a dubiedade de condução do enfrentamento à Covid-19. Assim, é preciso que seja reparado o que nos parece ser um grave erro do presidente da República”, destaca o documento.

Em outro trecho, foi mencionado que, ao invés de desfazer todo o esforço e sacrifício empenhados em prol do povo brasileiro, o presidente da República deveria liderar a luta em questão, “contribuindo para este esforço e conduzindo a nação para onde se espera de seu principal governante: um lugar seguro para se viver, com saúde e bem estar”.

“Infelizmente o que vimos em seu pronunciamento foi uma tentativa de desmobilizar a sociedade brasileira, as autoridades sanitárias de todo o país”, consideram os secretários. Para eles, a fala do presidente “dificulta o trabalho de todos, inclusive de seu ministro e técnicos”.

E finaliza: “Temos plena consciência de que o Brasil e o mundo irá enfrentar uma grave recessão econômica, aprofundamento das desigualdades sociais e empobrecimento. Mas é preciso que se entenda, vidas perdidas, não serão recuperadas jamais”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.