“Estamos em um patamar que até vinte anos atrás não se imaginava”, diz uma tenente-coronel

Para ela, a maior barreira a ser superada, ainda é o machismo

Foto: Divulgação

Um campo que ainda está “engatinhando”, em termos de representatividade feminina, é a área policial. A Tenente-coronel Michella Rodrigues falou ao Jornal Opção que a maior barreira a ser superada, ainda é o machismo. Segundo ela, o problema existe em todas as profissões, mas no caso das policiais, é maior. “Os homens precisam entender que as mulheres ganharam espaço, estamos em um patamar que até vinte anos atrás não se imaginava.”

Para a Tenente-coronel, atuar na Polícia Militar não é fácil, mas é gratificante. “Apenas 10% das vagas são destinadas às mulheres, e fazer parte desse grupo seleto mostra que estamos ganhando força.” Michella compartilha da opinião de que as mulheres têm uma visão mais ampla e são capazes de ir além em qualquer profissão.

Para a policial, é preciso que haja a conscientização que a mulher ganhou espaço, e essa é uma realidade que tende a expandir-se com o passar dos anos. A Tenente-coronel Michella faz parte da Patrulha Maria da Penha, da Polícia Militar de Goiás, um serviço especializado no atendimento e acompanhamento da situação de mulheres vítimas de violência doméstica.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.