Estado diz que processo de rescisão de contrato com OS será feito de forma “célere”

Governo garante que atendimento no Hugo e Hutrin continuará normalmente

Segundo a gestão estadual, de janeiro a setembro deste ano, foram repassados R$ 740,6 milhões para as OSs na área da saúde (Foto: Matheus Monteiro/ Jornal Opção)

Lucas Cássio

O Governo de Goiás informou, por meio de nota, que recebeu nesta sexta-feira (26/10) documento da Organização Social de Saúde (OSS) Gerir em que solicita a rescisão dos contratos de gestão do Hospital Estadual de Urgências de Goiânia (Hugo) e do Hospital Estadual de Urgências de Trindade Walda Ferreira dos Santos (Hutrin). Segundo a gestão estadual o processo “será iniciado, de forma célere, na próxima semana”.

O governo do Estado garante que o atendimento nos dois hospitais da rede estadual continuará normalmente, sem nenhum prejuízo aos pacientes.

Uma das justificativas da OS para solicitar a rescisão seria atrasos em repasses feitos pelo Estado. Sobre o assunto, o governo de Goiás afirma que “esta é uma questão pontual, devido a imprevistos no fluxo de caixa do Tesouro Estadual provocados pelo cenário econômico adverso no País, mas que, apesar disto, os repasses têm sido realizados para todas as OSS que administram as 17 unidades de saúde do Estado”.

Segundo a gestão estadual, de janeiro a setembro deste ano, foram repassados R$ 740,6 milhões para as OSs na área da saúde que mantêm contratos com o Estado. “No mesmo período de 2017, foram repassados R$ 718,6 milhões. Os valores repassados até o momento são, portanto, R$ 24 milhões superiores aos pagos no ano passado no período”, diz a nota.

Por meio da nota, o governo estadual também ressalta que na próxima semana vai apresentar um plano para a quitação de todos os repasses às OSs até 31 de dezembro deste ano.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.