Estado assumirá hospitais municipais durante pandemia do novo coronavírus

Governador pediu a todos aqueles jovens “palpiteiros” que insistem em dizer que o novo coronavírus é uma “gripezinha”, que se apresentem ao Estado e atuem como voluntários no Hospital do Servidor quando o número de casos aumentarem

Foto: Reprodução

O governador Ronaldo Caiado (DEM) afirmou nesta quinta-feira, 26 que o Estado está assumindo algumas unidades hospitalares, tais como as de Luziânia, Itumbiara e Jataí, para enfrentar o novo coronavírus de forma mais eficaz e abrangente. Diretamente do Hospital do Servidor, que foi transformado em uma unidade modelo para receber apenas vítimas com complicações respiratórias, o governador falou das dificuldades em equipar as unidades.

Caiado deu o exemplo dos respiradores, que antes da pandemia eram comercializados por cerca de R$50 mil reais e que agora custam mais de R$130 mil reais, entre outras dificuldades como a falta de hospitais em municípios relativamente grandes, além de unidade sem CTIs. Para ajudar a preparar as unidades, o governador tem pedido que parlamentares destinem emendas para esses hospitais.

Sobre os efeitos da quarentena, o governador voltou a defender as medidas duras adotadas em Goiás. “Saímos na frente, estamos agindo com cautela para minimizar os impactos do coronavírus e resguardar a vida dos goianos”, argumentou.

Curva monitorada

“Em todo o lugar que o coronavírus passou, tiveram empresas quebradas, óbitos e uma série de transtornos. O que fizemos em Goiás foi agir para minimizar esses efeitos. Agora, após 15 dias de quarentena, poderemos avaliar como é que vamos agir”, detalhou Caiado, ao pontuar que as medidas são reavaliadas dia após dia.

“Se a curva voltar a crescer em determinada região após esse período poderemos ter que voltar à quarentena, mas isso é algo que será acompanhado com cautela. É preciso lembrar que outros países mais ricos não suportaram a crise do coronavírus”, destacou Ronaldo Caiado, ao falar que tem acompanhado as  experiências ao redor do mundo.

O governador também enviou um recado ao “pessoal que investe na bolsa” e só pensa em dinheiro: “Saiba que em Goiás estamos adotando medidas e agindo baseados em critérios e experiências que deram certo no mundo. Não existe nada definitivo, vamos avaliar, analisar e tomar as melhores decisões”, afirmou.

Por fim, o governador pediu a todos aqueles jovens “palpiteiros” que insistem em dizer que o novo coronavírus é uma “gripezinha”, que se apresentem ao Estado e atuem como voluntários no Hospital do Servidor quando o número de casos aumentarem. “Daremos um curso e essas pessoas que tanto falam poderão ajudar, atuando em áreas como transporte de infectados e limpeza”, detalhou Caiado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.