Especialistas apontam sinais de intolerância à lactose e dão dicas para evitar o perrengue

Tratamento tem como objetivo amenizar os sintomas sem descuidar da ingestão adequada de cálcio

Ja ouviu falar sobre intolerância à lactose? A dificuldade de digerir e absorver a lactose, que é o açúcar presente no leite e derivados, hoje em dia, é mais comum do que se imagina. Como a lactose pode ser encontrada em iogurtes, queijos, manteiga e sorvete, é preciso estar atento aos sinais e prestar atenção para evitar o perrengue.

Mas como saber se tenho intolerância? De acordo com a médica Laize Mariane Gonçalves Silva Castro, especialista em Clínica Médica e Gastroenterologia, a doença tem caráter genético, ou seja, algumas pessoas perdem a capacidade de produzir ou perdem a atividade da lactase ao longo dos anos.

Laize Mariane Gonçalves Silva Castro especialista em Clínica Médica e Gastroenterologia – Foto: Divulgação

Para quem sofre do mal, como a lactose não é absorvida no intestino, ela acaba sofrendo fermentação pelas bactérias anaeróbias do colón, gerando aumento dos gases, o que desencadeia os principais sintomas: dor abdominal, flatulência em excesso, distensão abdominal, diarreia, náuseas e vômitos.

Maria Luiza Ferreira Stringhini, professora, doutora da área de nutrição clínica da Faculdade de Nutrição da Universidade Federal de Goiás (UFG) explica que os sintomas aparecem por volta de 30 minutos a 2 horas após o consumo de algum alimento contendo lactose.

Sem cura, o tratamento tem como objetivo amenizar os sintomas sem descuidar da ingestão adequada de cálcio, evitando assim o surgimento de doenças ósseas. Inicialmente recomenda-se a retirada total de lactose da dieta por cerca de 15 dias. Após esse período, recomenda-se introdução de pequenas doses de lactose para testar a tolerância individual de cada paciente. A maioria dos pacientes toleram cerca de 12 g de lactose em dose única, o que representa cerca de 250 ml de leite.

“Para ajudar aqueles pacientes que não conseguem diminuir o consumo de leite e derivados, pode-se utilizar suplementação com enzima lactase, que deve ser consumida 20 minutos antes dos alimentos lácteos. Vale lembrar que já existem produtos lácteos com teor reduzido em lactose (leite, iogurte, creme de leite sem lactose) encontrados facilmente para comercialização”, explica Laize.

 

 

Intolerância x alergia

Na intolerância, o problema é a deficiência da enzima que digere o carboidrato do leite (lactose). Já a alergia constitui uma resposta imunológica a uma proteína do leite de vaca, onda há um reconhecimento desta proteína como estranha ao organismo, provocando uma reação antígeno/anticorpo.

“As consequências da alergia podem ser diversas como edema nos lábios, coceira, manchas avermelhadas na pele, tosse, falta de ar, diarreia entre outros”, explica a nutricionista.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.